Programa oferece bolsas integrais de intercâmbio no exterior para adolescentes

Depois de ter que se adaptar somente ao virtual na crise sanitária, o programa de intercâmbio volta a ser presencial. Uma boa notícia, mais ainda por buscar melhores ares.  É que o AFS vai oferecer bolsas integrais de estudo nos Estados Unidos, Índia, Bélgica e Reino Unido durante o mês de julho de 2022 com foco em sustentabilidade e habilidades STEM. A mais antiga organização de intercâmbio para jovens do mundo criou o AFS Global STEM Changemakers, programa financiado pela BP. A programação da Academia se concentra em habilidades críticas de STEM e compreensão intercultural para a sustentabilidade global, bem como imersão cultural local. Os acadêmicos participam de serviços comunitários e têm a oportunidade de visitar operações locais inovadoras e focadas em sustentabilidade para ver em primeira mão como empresas e organizações estão usando as habilidades STEM na prática para enfrentar os desafios da indústria e da sociedade, particularmente em torno da sustentabilidade.

Os bolsistas do programa recebem o Certificado Avançado em Competência Global para Impacto Social, concedido pelo AFS e pelo Centro de Estratégia de Impacto Social da Universidade da Pensilvânia.

As inscrições podem ser feitas até o dia 4 de março de 2022

Serão oferecidas vagas para estudantes. O AFS Global STEM Changemarkes Academy combina aprendizagem virtual (três meses) e presencial (4 semanas) e vai reunir jovens de 15 a 17 anos do Azerbaijão, Bélgica, Brasil, Egito, Alemanha, Índia, Indonésia, México, Omã, África do Sul, Trinidad e Tobago, Reino Unido e EUA.

As AFS Global STEM Academies combinam aprendizado digital e presencial, reunindo jovens de mais de 14 países em todo o mundo, nos quais acadêmicos enriquecem seus conhecimentos de sustentabilidade e habilidades STEM por meio de um currículo interativo e prático, enquanto desenvolvem competências globais críticas, incluindo resolução de problemas, habilidades analíticas, compreensão intercultural e inovação social. A proposta do AFS é arregimentar 5000 jovens agentes de mudança em todo o mundo.

As Academias começam com um currículo virtual de 12 semanas (em casa), envolvendo habilidades de competência global, impacto social e workshops focados em sustentabilidade, com conteúdo co-desenvolvido pelo AFS e pelo Centro de Estratégia de Impacto Social da Universidade da Pensilvânia. A parte virtual do programa culmina com projetos de impacto social liderados por alunos e apresentações que oferecem soluções potenciais para desafios do mundo real, com ênfase na sustentabilidade e nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, incluindo os tópicos de mudança climática e transição energética.

Então, depois de completar o currículo virtual, os bolsistas da Academia viajam em uma experiência imersiva de 4 semanas para um dos cinco destinos da Academia: Brasil, Índia, EUA, Bélgica ou Reino Unido. A programação da Academia se concentra em habilidades críticas de STEM e compreensão intercultural para a sustentabilidade global, bem como imersão cultural local. Os acadêmicos participam de serviços comunitários e têm a oportunidade de visitar operações locais inovadoras e focadas em sustentabilidade para ver em primeira mão como empresas e organizações estão usando as habilidades STEM na prática para enfrentar os desafios da indústria e da sociedade, particularmente em torno da sustentabilidade.

A gerente de Operações e Alianças do AFS, Ana Paula Castro, diz que a ideia é dar oportunidades a jovens de baixo poder aquisitivo de colaborar com estudos de casos reais sobre a transição energética e tecnologias sustentáveis. “Queremos gerar impacto, dar perspectivas a estes estudantes, os mais prejudicados com as defasagens do ensino na pandemia, levá-los a acreditar no futuro”, afirma.  Ela lembra que o programa pode ainda abrir as portas do mercado de trabalho aos jovens participantes. 

Após a conclusão, os estudantes vão ser apoiados por meio de mentoria contínua e terão a chance de obter financiamento para seus projetos de impacto social. Além disso, serão convidados a participar da Assembleia da Juventude, encontro global de jovens que lutam ativamente pelos objetivos de desenvolvimento sustentável das Nações Unidas. 

Segundo Ana Paula Castro, o programa anteriormente era para intercâmbio de um ano, mas o AFS optou, em 2022, por períodos curtos para ajudar mais jovens. Os que já foram beneficiados com as bolsas recomendam a vivência. “Foi a melhor experiência da minha vida. Aprendi bastante ao conviver com adolescentes do mundo inteiro, conheci várias culturas legais e fiz amigos para vida toda,” diz Gabriela Santos, que participou do programa nos Estados Unidos, em 2018.

Matheus Santos, outro bolsista, que foi para o Egito, também atesta ser uma experiência ímpar. “Tive a oportunidade de conhecer a cultura egípcia, que é muito rica, viver com uma família hospedeira que me acolheu de braços abertos, fazer amigos de diversas partes do mundo”, conta. Ele relata que, a partir do contato direto com nativos da língua inglesa, aprimorou o idioma em diferentes situações como palestras, workshops, passeios.

A AFS traz décadas de experiência em intercâmbio educacional orientado por impacto e pelo poder de uma rede global. “Habilidades como comunicação multicultural, empatia e resolução de conflitos são essenciais para o nosso mundo. Educar mais jovens para se tornarem cidadãos globais é crucial se quisermos criar um futuro mais sustentável. Temos o prazer de ampliar nossa parceria com a BP e avançar nosso compromisso compartilhado com a educação mais equitativa”, disse Daniel Obst, presidente e CEO da AFS Intercultural Programs.

A BP apoia iniciativas como essa para ajudar a construir os talentos STEM que o mundo precisa para criar soluções sustentáveis e melhorar a diversidade de talentos em STEM.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.