Programa de Controle da Tuberculose recebe visita internacional

A Prefeitura de Itaboraí recebeu nessa semana a professora do Departamento de Psiquiatria da Universidade da Columbia, uma instituição de ensino superior privada localizada na cidade de Nova Iorque, nos Estados Unidos, Annika Sweetland. O secretário municipal de Saúde, Júlio César Ambrosio, e a coordenadora do Programa Municipal de Controle da Tuberculose (PMCT), Maria José Pereira trataram de assuntos relacionados à pesquisa “Depressão e Tuberculose”, coordenada pela professora.

Participaram ainda do encontro, o enfermeiro especializado em Saúde Mental pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Cláudio Gruber Mann, a enfermeira pesquisadora pela Universidade Federal Fluminense (UFF), Jéssica Campos e a subsecretária de Atenção Especializada, Sônia Maria Rodrigues.

Segundo o secretário municipal de Saúde, Júlio César Ambrosio, por coincidência, no mesmo dia da visita de Annika ao seu gabinete, uma equipe, formada por profissionais de arquitetura e do planejamento do Fundo Municipal de Saúde e a ainda a subsecretária de Atenção Especializada foram até a sede do PMCT para realizar um estudo técnico para ampliação do espaço do programa.

“Antes mesmo de assumir a pasta da Saúde aqui em Itaboraí já conhecia o trabalho de excelência da coordenação do programa de Tuberculose do município. Sei do comprometimento e seriedade desta equipe coordenada pela Zezé, assim conhecida por nós. Não será uma grande obra, por conta da questão financeira, mas vamos nos ajustar da melhor maneira possível para oferecer melhores condições aos nossos profissionais e pacientes. Quero agradecer imensamente a professora Annika pela visita e por escolher Itaboraí como fonte de pesquisa com o objetivo de integrar um tratamento de depressão no programa de Saúde da Família para pessoas que estão fazendo tratamento de tuberculose”, disse o secretário.
Há 19 anos trabalhando com o tema de Tuberculose e Saúde Mental, desde 2014, Annika vem desenvolvendo este trabalho de “Depressão e Tuberculose” em Itaboraí, inclusive com vindas ao município para pesquisas de campo com as equipes de profissionais da saúde, que lidam com pacientes com tuberculose. Itaboraí foi escolhida, por ser um programa de qualidade e reconhecida internacionalmente, por fazer com poucos recursos, o tratamento diretamente observado e reduzir o abandono.

“Tenho prazer em trabalhar no Brasil e em Itaboraí há cinco anos, pois são pessoas comprometidas e inovadoras, assim como a Zezé. Estou trabalhando com o tema “Depressão e Tuberculose” e temos um projeto piloto em Itaboraí que seria de incorporar o tratamento de depressão nas Unidades de Saúde da Família (USF) com pacientes com tuberculose. Este trabalho é de suma importância, pois sabemos que em média metade das pessoas com tuberculose sofrem também de depressão, devido a discriminação, entre outros fatores, além da parte biológica. Pessoas que possuem depressão tem mais resistência ao tratamento, e aqui no Brasil quase ninguém fala deste tema. Pretendemos fazer muito mais, por um modelo gobal de como enfrentar a tuberculose e a depressão, uma parte da estratégia mundial de acabar com a epidemia da tuberculose no mundo” frisou Annika.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × 5 =