Primeiro dia útil da Transoceânica: ainda há muito o que fazer

Raquel Morais –

O primeiro dia útil de funcionamento do corredor de transporte da Transoceânica, que liga Charitas ao Engenho do Mato com 13 estações de paradas, foi de satisfação, mas também de muito questionamento por parte dos usuários. Apesar da redução do tempo no trânsito, ônibus novos e paradas bem estruturadas, a principal queixa de quem usou o transporte coletivo no novo corredor foi a falta de sinalização. Além disso, os painéis eletrônicos também não foram ligados, faltam extintores de incêndio, reforma nos banheiros das estações Charitas e Engenho do Mato e climatização nessas duas paradas. O espaço foi inaugurado no último sábado.

A fonoaudióloga Marisol Morelli, de 57 anos, mora na Região Oceânica e trabalha no Centro de Niterói e diariamente usa o transporte público. Ela explicou que geralmente leva 80 minutos para concluir esse deslocamento, mas ontem, no ônibus BHLS, levou 50 minutos. A diferença de 30 minutos no percurso deixou a niteroiense animada, mas o sistema também recebeu críticas. A falta de sinalização na Estação do Engenho do Mato foi a principal delas.

“Eu fiquei desorientada. Não sabia em qual lado ficar na plataforma e também não sabia qual ônibus ia passar e nem onde. Também acho que foi um investimento muito alto para modernizar uma parada de ônibus a toa. Para que uma estação como essa? Se o principal, que é informação, não tem?”, questionou.

Na manhã de ontem, nas estações de Charitas e do Engenho do Mato, o sistema de climatização estava desligado, não havia extintores de incêndio, água e os banheiros estavam inacessíveis. Passageiros disseram que estão ‘perdidos’ e contaram que precisa de uma sinalização mais eficaz para entenderem onde os ônibus param e para onde vão, além de qual lado é o do embarque certo. Apesar da sinalização com adesivos no chão e na frente de cada porta estar finalizada, o direcionamento não era claro.

Outras reclamações são em relação às linhas que transitam pelo corredor viário. Agora são três linhas que ligarão Centro e Região Oceânica através do Túnel Charitas-Cafubá: Oceânica 1 (Piratininga-Centro), Oceânica 2 (Itaipu-Centro) e Oceânica 3 (Itaipu-Centro, via Engenho do Mato); que são as antigas linhas 38.

“Falta um painel com essa explicação. Acho que seria muito mais eficiente e fácil”, resumiu o morador da Região Oceânica Felipe Ramos, de 33 anos.

Nas estações intermediárias, os painéis de LED não funcionaram ontem. A presença de funcionários para orientarem os passageiros também não foi constante. Pela manhã, foram vistos funcionários somente em algumas estações. Em outras, os usuários não tinham a quem pedir informações. Sobre o não funcionamento das telas informativas, a prefeitura informou que os fortes ventos registrados na noite do último domingo provocaram uma oscilação de energia elétrica na rede que alimenta as estações e os painéis de LED não puderam ser ligados. Disse ainda que nas estações de Charitas e Engenho do Mato não havia a previsão de climatização, pois são estações de conceito aberto. No entanto, os painéis também não funcionaram no sábado, e na manhã desta terça-feira, continuavam apagados.

A respeito do trabalho de orientação, afirmou que cerca de 40 pessoas atuam na divulgação do início da operação do corredor viário para informar a população sobre a circulação do BHLS e garantir a segurança dos usuários. Quinze mil panfletos foram distribuídos com dados da operação do moderno sistema de transporte coletivo. Também foram desenvolvidas campanhas de conscientização sobre o uso das faixas exclusivas de BHLS na internet. Trinta e seis agentes de trânsito da Nittrans atuam em todo o percurso dos novos ônibus, em especial nas rotatórias e nos cruzamentos.

COLETIVOS
Ao todo serão 25 ônibus, modelo Caio Millenium IV, que circulam na Transoceânica, com quatro portas sendo duas para o corredor seletivo; sendo que 23 vão trafegar na cidade e dois ficarão na garagem da viação como reserva, em caso de algum problema ou defeito. Os coletivos são do tipo Low Entry (piso baixo) têm direção automática, ar-condicionado, são adaptados para deficientes físicos, possuem ilha para circulação interna, além de capacidade para 90 passageiros sendo 32 sentados e 58 em pé.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 + quatro =