Esperança que vem do Reino Unido

Em meio à segunda onda do coronavírus, que atinge a Europa e o agravamento da doença no Brasil, hoje as atenções do mundo inteiro se voltam para o Reino Unido, que deu início à vacinação em massa da população contra a Covid 19, doença que que já vitimou 1,5 milhão de pessoas até o momento. Uma idosa, de 90 anos, foi a primeira pessoa a ser imunizada.

Com mais de 61 mil mortes confirmadas, o Reino Unido é o primeiro local do ocidente cujo órgão regulador autorizou o uso de uma vacina, o imunizante desenvolvida pela norte-americana Pfizer em parceria com a alemã BioNTech. Idosos, funcionários e residentes de asilos e profissionais da saúde que atuam na linha de frente estrão sendo os primeiros imunizados. O ministro da Saúde, Matt Hancock, batizou a terça-feira como “Dia V”. Nos últimos dias, 50 hospitais do Reino Unido receberam as primeiras 800 mil doses.

A vacinação começou às 6h30m (horário local), e a primeira pessoa a receber a dose foi Margaret Kennan, uma idosa, de 90 anos. Ela afirmou que agora poderá planejar o Ano Novo com familiares e amigos, após passar praticamente o ano inteiro sozinha. Margaret completará aniversário na semana que vem, e possui 2 filhos e 4 netos.

A Rússia começou a operar seu próprio imunizante, apelidado de Sputnik V, na semana passada. Nos Estados Unidos e na União Européia, as agências de segurança de medicamentos devem anunciar suas vacinas em breve.

Em São Paulo população começa ser imunizada no dia 25 de janeiro

Na segunda-feira (7), o governador João Doria lançou o Plano Estadual de Imunização contra o coronavírus, numa campanha prevista para começar no dia 25 de janeiro, com prioridade para profissionais de saúde, pessoas com 60 anos ou mais e grupos indígenas e quilombolas na primeira etapa. São Paulo também vai disponibilizar 4 milhões de doses da vacina. Os pacientes serão imunizados com duas doses da CoronaVac produzida em parceria com Instituto Butantan.

A previsão é que 9 milhões de pessoas sejam imunizadas na primeira etapa, com a aplicação de 18 milhões de doses.O público-alvo prioritário abrange trabalhadores na linha de frente de combate à COVID-19, indígenas e quilombolas e também a faixa etária com maior índice de letalidade por COVID-19 – 77% das mortes provocadas pelo coronavírus até agora são de pessoas com mais de 60 anos.

O Governo do Estado vai propor aos municípios a adoção de normas especiais para vacinação em farmácias, quartéis da Polícia Militar, escolas, terminais de ônibus e postos volantes em sistema drive-thru. O objetivo é garantir a segurança da população e evitar aglomerações nos locais de imunização.

Até o fim de março, o Governo de São Paulo estima que quase 20% dos 46 milhões de habitantes do estado estejam imunizados com duas doses da CoronaVac e conta com a rápida aprovação da vacina do Butantan pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 + dez =