Presos em operação no Jóquei ficam em silêncio durante depoimento

Os três suspeitos de tráfico de drogas presos na operação realizada pela Polícia Civil, na quinta-feira (4), em comunidades no bairro do Jóquei, em São Gonçalo, ficaram em silêncio durante depoimento. Após a captura, eles foram encaminhados à sede da Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí e Maricá (DHNSG), responsável pela investigação.

O delegado-adjunto da especializada, Mário Lamblet, confirmou que os acusados irão falar apenas em juízo. A operação foi deflagrada com o objetivo de desarticular esquema de narcomilícia, posto em prática pela facção Comando Vermelho (CV), que atua na região, além de reprimir disputas entre o CV e o Terceiro Comando Puro (TCP) pelo controle da atividade criminosa no local.

“[Os presos] vão falar somente em juízo”, confirmou o delegado. Segundo Lamblet, está sendo apurada a atuação de cada um no esquema. As investigações continuam. “Ainda em apuração mais detalhada, sem informações nesse momento. Continuaremos a investigação com aprofundamento das ramificações envolvendo tráfico e milícia. Primeiro vamos fortalecer o que estamos apurando”, explicou o delegado.

A operação ainda teve a apreensão de dois aparelhos de rádio transmissor e material para fazer endolação de drogas. Segundo a DHNSG, um dos presos tinha mandado em prisão em aberto por homicídio, no entanto sem confirmar mais detalhes do caso; outro preso tinha três mandados de prisão em aberto por tráfico de drogas e homicídio; e o terceiro foi detido em flagrante por associação para o tráfico.

Investigação foi aberta há quase um ano

Havia expectativa para realização dessa operação desde janeiro deste ano. Na edição do dia 16 de janeiro de A TRIBUNA, o delegado Mário Lamblet, delegado-adjunto da especializada, afirmou que, àquela época, já tinha investigado as principais lideranças do tráfico da região. Na ocasião, ele manifestou a intenção de realizar uma operação para efetuar a prisão dos bandidos.

“Já estamos com, praticamente, os integrantes das duas facções identificados. Já representamos pela prisão e a gente espera em breve efetuar a prisão desses elementos que foram identificados. Isso demanda um planejamento até para não aumentar o perigo em relação à população. A gente tem monitorado o que tem acontecido e a ideia é dar uma solução, em conjunto com a própria Polícia Militar”, disse Lamblet, na ocasião.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 + doze =