Prefeitura vai cobrar agilidade do Inea para situação da Lagoa de Piratininga

O Administrador Regional da Região Oceânica, Carlos Boechat, confirmou que vai pedir, dentro dos próximos dias, para a Secretaria de Meio Ambiente, Recursos Hídricos e Sustentabilidade de Niterói cobrar do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) um posicionamento sobre a obra do túnel que liga a Praia de Piratininga e a lagoa, no Tibau. No início do ano passado parte do túnel desmoronou e os sedimentos continuam impedindo a renovação da água. Pescadores continuam sofrendo com a queda brusca do pescado na região. O Inea informou que elabora projeto para a contratação de empresa que executará a desobstrução do túnel. A previsão é iniciar a intervenção neste semestre.

A obra seria de responsabilidade do Inea, mas o prefeito Rodrigo Neves anunciou, no ano passado, que se o Inea não custear e executar as intervenções, a Prefeitura de Niterói assumiria as obras. Boechat disse que a administração municipal fez um projeto para a recuperação do espaço através do Programa Região Oceânica Sustentável (PRO-Sustentável).

“Ainda não tivemos resposta do Inea para saber se eles vão fazer a obra ou não. Vamos fazer contato novamente com eles e essa situação tem que ser resolvida. A troca de água é necessária para a revitalização da lagoa e para quem ganha seu sustento através da pesca. A lagoa tem que voltar ao seu nível e essa obra é mais do que necessária”, explicou.

O pintor Vicente Paulo da Silva, 60 anos, disse que gosta de pescar por diversão e sempre que pode tentar pegar peixe na Lagoa.

“Eu sempre pegava um balde de 20 quilos e comia com fartura e vendia o excesso. Agora eu fico horas jogando a tarrafa e não pego nada. Peguei dois peixes. Isso é muito triste. A gente disputava lugar na lagoa. Não tinha espaço para todo mundo e tinha muito peixe. Hoje é um cenário tão triste. Eu fico sozinho tentando pegar algum peixe. Essa obra tem que sair do papel. Essa situação estão muito ruim”, contou.

Para o pescador Luís Cláudio Oliveira, 38 anos, a situação está ainda pior pois essa sempre foi a única fonte de renda.

“Agora eu estou sobrevivendo de biscate como pedreiro. Quando tem serviço eu faço e quando não tem eu rezo para surgir alguma coisa. Eu já desisti de tentar pescar nessa lagoa. Eu cheguei a pescar 40 quilos de tilápia e parati em um dia. A renovação da água vai melhorar a qualidade da água e permitir a entrada de água nova”, pontuou.

A obra do túnel foi feita pelo Inea e entregue em 2007, mas no início desse ano os sedimentos caíram, bloqueando a entrada da água do mar na lagoa. Cerca de 70 famílias vivem da pesca na localidade e a qualidade da água é fundamental para essa prática.

“O impacto é social e também tem o problema de assoreamento que tem trechos da lagoa que estão se tornando inavegáveis. Também teve a redução do espelho d’água e consequente perda da profundidade. A falta de troca de água da lagoa com o mar vai piorando a situação e impactando a vida dos pescadores”, sintetizou o gestor ambiental Sérgio Ricardo de Lima.

Em nota, o Inea informou que realizará uma ação conjunta com a concessionária de saneamento de Niterói na Lagoa de Piratininga. O objetivo é identificar pontos de lançamento clandestinos de esgoto para a adoção das medidas cabíveis. Sobre o túnel, o órgão ambiental estadual reitera que elabora projeto para a contratação de empresa que executará a desobstrução do túnel. A previsão é iniciar a intervenção neste semestre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × quatro =