Prefeitos comemoram retomada das obras do Comperj

Wellington Serrano

Depois de acionar na Justiça a Petrobras, em virtude da paralisação das obras do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), em Itaboraí, desde o final de 2015, os 14 prefeitos que integram o Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento do Leste Fluminense (Conleste), depois das incertezas do passado, deram um suspiro de otimismo e confirmaram a expectativa em torno do processo de licitação da estatal para contratação das obras da Unidade de Processamento de Gás Natural (UPGN).

Para retomar as obras a Petrobras convidou 30 empresas para participarem da licitação. Todas são estrangeiras. Segundo afirmou o presidente da estatal ontem, Pedro Parente, as construtoras nacionais ficaram de fora em função dos desdobramentos da Operação Lava Jato, até que se reabilitem novamente a participar do processo de concorrências da empresa.

Sobre a retomada das obras no Comperj, ele enfatizou que a UPGN é extremamente importante para bons resultados da exploração do pré-sal. “A produção do pré-sal associa óleo e gás e se a gente não tem uma capacidade de escoamento desse gás isso vai limitar a produção do óleo. A gente não pode produzir o óleo se a gente não pode aproveitar o gás. Então, essa unidade é extremamente importante para que a gente continue tendo estes recordes maravilhosos que a gente está vendo na produção do pré-sal”, destacou.

A UPGN, conforme Pedro Parente, é essencial para o escoamento futuro da produção de gás natural nos campos do pré-sal na Bacia de Santos. O presidente destacou também que a construção da UPGN não significa a retomada das obras da refinaria do Comperj, mas sim da construção dessa unidade, que atenderá o terceiro gasoduto do pré-sal.

Para o presidente do Conleste, Helil Cardozo, a obra é importantíssima mesmo que seja só o processamento de gás, o que já vai gerar uma arrecadação de 10 milhões de ISS para o município. “No entanto, ela é pequena diante das expectativas dos prefeitos do consórcio que querem mesmo é a construção da Refinaria, que vai deixar um acréscimo na arrecadação de todos os municípios da região. Só para ter ideia, seriam R$ 197 milhões por mês de ICMS divididos em alíquotas para todos os prefeitos vizinhos. Ao contrário do gás que, depois de pronto, não deixa nenhum recurso para os municípios”, lamentou.

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Niterói, Edson Rocha, comemora os nove mil empregos que serão gerados para terminar a usina de processamento de gás, mas condena somente a participação de empresas estrangeiras na licitação. “Quanto tempo vamos ficar subservientes a essas empresas? Será mesmo que somos obrigados a ver os engenheiros gringos tomando as vagas de nossos trabalhadores?”, questionou o presidente do sindicato.

Segundo a Petrobras, a unidade de gás natural a ser instalada no site do Comperj será responsável pelo processamento de 21 milhões de Nm3/d de gás proveniente da Rota 3 de escoamento de gás do Polo Pré-Sal da Bacia de Santos. A Petrobras prevê o início de operação da UPGN no primeiro trimestre de 2020, com investimento previsto em torno de R$ 2 bilhões.

One thought on “Prefeitos comemoram retomada das obras do Comperj

  • 13 de janeiro de 2017 em 10:04
    Permalink

    Bom dia. A respeito da construção da UPGN, como será feita a captação doa currículos. Será atraves do Sine? Nós metalúrgicos estamos aguardando com ansiedade e esperança essa oportunidade de sustentar nossas famílias dignamente.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 5 =