Prefeito de Niterói diz que violência é “inadmissível”

Wellington Serrano –

O prefeito Rodrigo Neves (PV) disse na tarde desta terça-feira (04) que é “absolutamente inadmissível que não se possa ter a tranquilidade que todos desejam ter na querida Niterói”. A transmissão em uma rede social aconteceu após “eventos e ocorrências inaceitáveis”, como classificou ao se referir sobre a tentativa de assalto a uma mercearia situada na Rua Mariz e Barros, ao assalto na madrugada de quinta-feira (29) a um grupo de amigos em um dos quiosques da orla do Gragoatá e às imagens que circularam pela TV de um adolescente de 17 anos que havia tentado assaltar um motoqueiro e um policial quando houve trocas de tiros no meio da rua em Icaraí, no último domingo.

Entre as ações anunciadas para tentar frear a criminalidade estão uma parceria com a Fecomércio para implantação do projeto Centro Presente, como já acontece no Rio de Janeiro, e a assinatura com o Governo do Estado de novo convênio para remuneração de policiais das forças especiais, como o Bope, nos horários de folga. A iniciativa da gestão municipal inclui, ainda, a ampliação de vagas no Proeis e a criação de um programa de inclusão produtiva, que tem como foco jovens das comunidades de Niterói que estão fora da escola e também não trabalham.

O prefeito vai assinar nesta quarta (05) um novo convênio com o comandante da Polícia Militar e com o secretário de Estado de Segurança Pública, de apoio da Prefeitura de Niterói às forças de segurança pública do Estado. “Neste convênio, a Prefeitura vai disponibilizar mais R$ 3,5 milhões para que possamos, nos horários de folga dos policiais das forças especiais, como a polícia motorizada do Batalhão de Choque e o Bope, remunerar esses profissionais para atuarem no policiamento ostensivo, não apenas na Zona Sul, como na região Norte, em Pendotiba e na Região Oceânica. O objetivo é que esses efetivos possam ser ampliados em Niterói”, enfatizou o prefeito.

Outra ação que trará reforço na segurança é a disponibilização a todos os policiais militares de mais vagas no Proeis, que é um programa no qual a Prefeitura remunera os PMs que não são das forças especiais para atuarem no policiamento ostensivo. A meta é que com esta ação, aproximadamente mais 150 policiais estejam diariamente nas ruas da cidade.

A implantação, até o fim de agosto, de todos os portais de segurança nas entradas da cidade, como os que já foram implantados na Ponte Rio-Niterói, também foi uma das medidas informadas pelo prefeito. Serão cinco equipamentos nas divisas com municípios vizinhos em locais como a Alameda São Boaventura, a Avenida Central, o Barreto e em Várzea das Moças. Essa tecnologia permite identificar as placas dos veículos.

“Infelizmente o cenário vai se agravar em nossa cidade”, disse Rodrigo Neves. Além da crise da segurança do estado e das 15 medidas que vai tomar na área de segurança, ele falou sobre o treinamento de guardas municipais para transformar a instituição em polícia comunitária. Neves disse que o emprego de guardas municipais armados em ações de patrulhamento só ocorrerá após consulta à população de Niterói. “No momento, o armamento da Guarda é um projeto piloto, para 30 homens que atuarão em locais fechados de uso restrito às forças de segurança, como o Centro Integrado de Segurança Pública (Cisp), a Cidade da Ordem Pública e o prédio da Polícia Federal. Não haverá guardas armados em locais de acesso à população. Para estes 30 agentes está sendo ministrado curso de armamento que será concluído em julho”, disse.

O comandante do 12ºBPM, Marcio Rocha, afirmou que a PM estava presente em todas as ocorrências. “Estamos atentos aos indicadores estratégicos e buscamos formas eficientes já que não temos fartos recursos. Neste momento estamos com plano em vigor para aumentar a presença na Zona Sul, baixar os índices e aumentar a sensação de segurança”, explicou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

11 − 6 =