Portal oferece R$ 5 mil por paradeiro de assassinos

O Portal dos Procurados divulgou cartaz com o título de “Quem Matou?” para ajudar a Delegacia de Homicídios da Capital e Baixada Fluminense, Grupo de Pronta Resposta da Coordenadoria de Inteligência da PMERJ e também a 165ª DP (Mangaratiba), com informações que possam levar a identificação e localização dos envolvidos nas mortes do policial civil Luís Fernando Nascimento de Almeida, do cabo da Marinha Anderson da Silva Gomes, de 25 anos, e dos soldados da Polícia Militar Marçal Teles de Brito, de 37 anos, Jeferson Franklin dos Santos, de 29 anos, e Sérgio Henrique de Abreu Oliveira, de 37 anos.

Uma recompensa de R$ 5 mil é oferecida por informações exatas sobre os assassinos dos agentes de segurança. Nas últimas 72 horas, um agente de segurança foi assassinado em média a cada nove horas no Rio. No sábado, dois casos foram registrados no Centro do Rio, e outro na Baixada Fluminense. Já outro crime ocorreu na Costa Verde, no domingo, e o último foi no bairro de Padre Miguel, na Zona Oeste do Rio, na segunda-feira, dia 8. Na terça-feira foi enterrado o capitão do Exército, Diego Martins Graça. Ele morreu no fim de semana após 20 dias internado. O agente foi ferido durante uma operação das Forças Federais, no Complexo da Penha, na Zona Norte, no dia 15 de setembro.Com as últimas seis mortes no final de semana passado, já chega a 105 (até a tarde de ontem) o número de agentes de segurança, assassinados no Rio em 2018. Sendo 81 da Policia Militar, 6 da Policia Civil, 4 Agentes Penitenciários da SEAP, 7 do Exército (EB), 1 Guarda Municipal de Silva Jardim, 1 Policial Federal, 2 da Marinha, 2 do Corpo de Bombeiros, e 1 da Aeronáutica.

Quem tiver qualquer informação a respeito da identificação e localização dos assassinos do agente de segurança, favor denunciar pelos seguintes canais: Whatsapp ou Telegram Portal dos Procurados (21) 98849-6099; pelo facebook/(inbox), endereço: https://www.facebook.com/procurados.org/, pela mesa de atendimento do Disque-Denúncia (21) 2253-1177, ou pelo Aplicativo para celular. Todas as denúncias sigilosas sobre o caso serão encaminhadas ao Grupo de Ação Conjunta (GAC) – formado pelo Núcleo de Investigação de Morte de Policiais da Delegacia de Homicídios da Capital e da Baixada, o Grupo de Pronta Resposta da Coordenadoria de Inteligência da PM e no caso do Policial Civil, também para 165ª DP (Mangaratiba) encarregadas dos respectivos casos e que tem como prioridade prender os envolvidos na morte de agentes de segurança no Rio.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

treze − três =