Por onde devo entrar: entrada social ou de serviço?

Uma placa instalada no Edifício Albatroz, na Boa Viagem, sobre a entrada de serviço e a entrada social chama atenção de especialistas imobiliários sobre entrada e saída de condomínios. Não é de hoje a dúvida entre esse tipo de entrada nos edifícios, mas uma regra é clara: não é permitido nenhum tipo de discriminação seja com moradores, funcionários dos prédios, dos apartamentos e até mesmo fornecedores de produtos ou serviços.

No prédio em questão o síndico Kleber Calor está administrando o local há cinco anos e prioriza a harmonia e igualdade entre as pessoas. “Já fiz muitas mudanças positivas no prédio e não aceitamos nenhum tipo de preconceito. Temos duas entradas diferentes e qualquer equívoco é facilmente resolvido através do diálogo”, comentou. O equívoco em que se refere é em relação as duas entradas do prédio, que ficam em portões diferentes e em ruas diferentes, já que o Edifício Albatroz fica na esquina das ruas Domingos Sávio (onde tem a entrada social) e a Edmundo March (onde fica a entrada de serviço).

A diferença nas ruas pode gerar algum tipo de conflito, por exemplo, em entregas de produtos; mas o problema é facilmente resolvido já que até o muro baixo do prédio facilita a identificação rápida de que se trata do mesmo edifício, que tem 120 apartamentos divididos em 10 andares. As empregadas domésticas Maria Rita Protássio, 55 anos, e Shirley Batista, de 58 anos, trabalham há mais de 20 anos nos apartamentos do edifício e nunca passaram por nenhum tipo de discriminação. “Uso o elevador que eu quero e entro pela entrada que eu quero. Geralmente entro pela entrada de serviço por ser mais perto do que a social e isso não me incomoda em nada”, pontuou Shirley. Geralmente a entrada de serviço é destinada para quem usa trajes de praia, quer entrar no prédio com animais ou até mesmo com sacolas de supermercados ou entregas. “Mas é claro que isso não é uma imposição e sim uma orientação”, contou Kleber.

A orientação dos especialistas em Direito Imobiliário, Civil, Trabalhista Empresarial e do Consumidor, os advogados Francisco Machado Egito e Valéria Ribeiro, é que seja clara a importância da informação do prestador de serviço em tornar público a questão de mercadoria só ser entregue no endereço que for solicitado. “No caso de prédio de esquina, e a entrada de serviço ser somente nessa rua, a empresa deve fazer a entrega independente do tipo de entrada”, resumiu Dr. Valéria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

treze − 4 =