Por falta de verba Cinema Icaraí vai continuar fechado

Wellington Serrano –

Blindado com tapumes e grades de aço para conter invasões no prédio. Esse é o triste cenário que nos últimos 10 anos é visto no Cinema Icaraí que, devido à falta dos repasses dos recursos da União, vai continuar fechado, segundo a Superintendência de Arquitetura e Engenharia (SAEN) da Universidade Federal Fluminense UFF, que fez esclarecimentos exclusivos para A TRIBUNA sobre como estão as questões técnicas e administrativas para a restauração do imóvel.

Segundo o coordenador de Engenharia (CEN) da UFF, Daniel de Almeida Silva, até o momento a empresa que ganhou a licitação, a Retro Projetos de Restauração Ltda –epp, alegou problemas financeiros e só entregou a parte inicial do projeto, que foi a prospecção para ver a cor original, identificação do bem e o levantamento cronográfico. “Foi feito ainda um trabalho só de manutenção para evitar que o prédio, que é um bem público, continuasse perecendo. É como estamos nessa situação agora”, lamentou.

Segundo o coordenador de Arquitetura, Luiz Affonso, tudo começou quando a UFF adquiriu o Cinema Icaraí e gerou o primeiro documento técnico, através do concurso entre os alunos da Escola de Arquitetura do Estado do Rio de Janeiro, que foi ganho por alunos da UFF e da UFRJ.
“O concurso foi promovido pelo Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB) e a banca definiu os vencedores do projeto que encaminharam aqui para a Saen e nós transformamos o que era uma ideia num estudo preliminar e básico executivo para a restauração do cinema”, explicou.

Ele disse que após adaptação do projeto tiveram início as licitações e o problema. “Quem ganhou foi a empresa Retro Projetos de Restauração Ltda-epp, pelo valor de R$ 1.404.424,92. Eles estavam até tocando o projeto de uma maneira muito competente, mas alegam que faltaram os recursos de contingenciamentos, o que parou a obra”, confirmou Affonso ao explicar que as obras pararam porque não houve o repasse dos recursos da União.

UFF comprou o Cinema Icaraí em 2011
O ministro da Educação, Fernando Haddad, recebeu em 2011, em seu gabinete em Brasília, o então reitor da UFF, Roberto Salles, que conseguiu a verba para a compra do Cinema Icaraí por R$ 10,6 milhões, de acordo com a avaliação da Caixa Econômica Federal (CEF), que na época gerou muitos debates na Câmara dos Vereadores.
Salles acertou com Fernando Policarpo, proprietário do imóvel, a compra do prédio, construído na década de 1930, em Niterói, e que está tombado. A UFF pretende transformar o prédio em um espaço cultural para a universidade e para os moradores de Niterói. Continuará sendo cinema, abrigará a Orquestra Sinfônica Nacional (OSN) da UFF e será polo de inúmeros eventos.
Procurada, a empresa Retro Projetos de Restauração Ltda-epp não se pronunciou até o fechamento da edição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três + vinte =