Ponta da Areia sem previsão de ter câmeras de segurança

Moradores do tradicional bairro da Ponta da Areia, na região central de Niterói, ainda não têm previsão de quando serão instaladas as 38 câmeras de segurança previstas para monitorarem as ruas da região. Os equipamentos, instalados pela ONG Viver Bem e avaliados em torno de R$ 45 mil, serão custeados em cerca de 40% do valor por moradores e comerciantes e os demais 60% podem ser fornecidos por estaleiros e pela prefeitura.

“O projeto deu uma parada. Está na fase de reuniões com estaleiros. Por enquanto não temos recursos para comprarmos as câmeras. No caso dos estaleiros situados na região, os representantes ficaram de se reunir para conhecer o projeto e, no caso da administração municipal, o prefeito estaria viajando. Por isso estamos aguardando uma data disponível”, explicou Adriano Felício, presidente da Associação de Moradores do Morro da Penha e Portugal Pequeno (Ammopeppe). O prazo anteriormente previsto era fim de fevereiro.

No fim do ano passado, por iniciativa dos moradores e comerciantes do bairro, foi disponibilizada uma oficina mecânica onde foi realizada a manutenção e abastecimento de uma das viaturas do 12º BPM (Niterói), que realiza rondas periódicas em patrulhamento para coibir a incidência de crimes como roubo de veículos e de transeuntes. Adriano revelou que agora são duas as viaturas que foram disponibilizadas com o mesmo objetivo. “Foi também criada recentemente, visando maior integração dos moradores e comerciantes do bairro, a Câmara de Moradores e Amigos da Ponta da Areia, presidida por Francisco Valitutto, com objetivo de implementar outros projetos em prol da comunidade”, revelou ainda Adriano.

Na mesma época o coordenador da ONG Viver Bem, Felipe Reis, afirmou que estava otimista quanto a instalação das câmeras de segurança no bairro. Dezenas de equipamentos foram instalados em outros bairros da cidade. Na ocasião, a região do Centro, onde está inserido o bairro Ponta da Areia, segundo números do Instituto de Segurança Pública (ISP), registrou 108 ocorrências de roubos a transeuntes, modalidade de crime em que mais se queixavam os moradores do perímetro. “Sabemos que é obrigação do estado a questão da Segurança, no entanto a gente, enquanto cidadãos, nada nos impede de fazermos a nossa parte. Afinal, se ninguém fizer alguma coisa, os maiores prejudicados seremos nós mesmos. Se cada um ajudar um pouco, não fica pesado pra ninguém”, convocou em dezembro a associação de moradores, acrescentando que as câmeras não atrapalhariam a vida de ninguém. O projeto final conta com 48 câmeras.

Na última reunião do Conselho Comunitário de Segurança (CCSN), realizada na quinta-feira passada, o comandante do 12º BPM, coronel Márcio Rocha, anunciou a criação de uma sala de operações e monitoramento de crise, que integrará todos os órgãos de segurança e ampliará o acesso às câmeras de segurança instaladas pelo Centro Integrado de Segurança Pública (Cisp) e pela ONG Viver Bem. A inauguração está prevista para o dia 9.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × 5 =