Políticos lamentam morte de Bruno Covas

Após a confirmação da morte do prefeito de São Paulo, licenciado, Bruno Covas (PSDB), que morreu na manhã desse domingo (16) vítima de câncer agressivo no sistema digestivo e que evoluiu para uma metástase nos ossos e no fígado, políticos usaram as redes sociais para homenagear no político. A Prefeitura de Santos, sua cidade natal, decretou luto oficial de três dias, e o corpo será sepultado no mesmo cemitério que o avô Mário Covas foi sepultado em 2001.

A ex-presidente do Brasil, Dilma Rousseff, prestou homenagens para Covas. “Lamento a morte do prefeito Bruno Covas, aos 41 anos de idade. O Brasil perdeu um dos seus promissores líderes políticos. Quero manifestar meus sentimentos ao filho Tomás e a toda família Covas, além dos militantes e dirigentes do PSDB”.

Lula também usou as redes sociais para lamentar a morte precoce aos 41 anos.

O governador do Estado de São Paulo, João Doria, postou uma foto com o amigo e agradeceu o carinho e dedicação que o político teve ao longo de sua trajetória política. “Obrigado, Bruno Covas, por ter compartilhado, com todos nós, tanto carinho e dedicação. À Renata e ao Pedro, seus pais, ao Gustavo, seu irmão, e especialmente ao Tomás, seu filho, meu afeto nesse momento doloroso em que a natureza subverte o curso da vida. São Paulo terá sempre muito orgulho desse filho querido. A força de Bruno Covas vem do seu exemplo e do seu caráter. Foi leal à família, aos amigos, ao povo de São Paulo e aos filiados do seu partido, o PSDB. Sua garra nos inspira e seu trabalho nos motiva. Tive o privilégio de acompanhá-lo desde o início da vida pública, ao lado do seu avô Mario Covas. Tive a honra de tê-lo como vice, na Prefeitura de São Paulo. E a alegria de ver seus ideais e realizações aprovados nas eleições de 2020. Bruno Covas era sensível, sereno, correto, racional, pragmático e ponderado. Voz sensata, sorriso largo e bom coração. Bruno Covas era esperança. E a esperança não morre: ela segue, com fé, nas lições que ele nos ofereceu em sua vida. Muito obrigado, Bruno. Você foi e continuará sendo para todos nós, um eterno exemplo”.

Bruno Covas foi internado no dia 2 de maio, data em que se licenciou da Prefeitura de São Paulo. No dia 14 de maio, sexta-feira, a equipe que estava cuidando do prefeito informou que ele teria tido uma piora muito grave e que seu quadro de saúde era irreversível. Na sexta feira (14) um padre realizou a unção dos enfermos para Bruno Covas e no sábado (15) foi realizado um ato ecumênico por cerca de 30 minutos na frente do hospital.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × quatro =