Políticos correm para homenagear o ator Paulo Gustavo

Alguns projetos de lei surgiram após a morte do ator e humorista Paulo Gustavo, com o intuito de homenageá-lo. Entre as sugestões estão a estação do Metrô no Leblon, a ponte Rio-Niterói, uma conhecida rua do bairro Icaraí, em Niterói, e um de teatro na mesma cidade. Políticos não perderam tempo e correram para homenagear o ator Paulo Gustavo, que morreu na última terça-feira por conta de complicações da Covid-19.

No Rio, um projeto de lei do deputado estadual Sérgio Fernandes (PDT) sugere a mudança da estação do Metrô Jardim de Alah, no Leblon. O parlamentar apresentou durante a semana na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) a proposta para que a estação passasse a se chamar “Jardim de Alah – Paulo Gustavo”. O Leblon foi escolhido por ser o lugar destacado por um dos personagens do Paulo Gustavo, o Valdomiro Lacerda, que é ex-morador do bairro e passou a morar no Méier fugindo da polícia. O próprio ator também já morou no bairro.

O advogado Wellington Mirassol, de 28 anos, trabalha na Rua Cupertino Durão, que fica bem próxima à Estação Jardim de Alah. Para ele, fã de Paulo Gustavo, o nome pode ser trocado o mais rápido possível.

“Paulo Gustavo foi uma pessoa brilhante. Quem vai se opor a mudança? Muda logo que eu vou me divertir ao falar que descerei na estação Paulo Gustavo, a estação da alegria”, brincou.

A proposta passará pelas comissões de Orçamento, Finanças, Fiscalização Financeira e Controle, de Assuntos Municipais e de Desenvolvimento Regional, de Transportes e de Constituição e Justiça. Depois, será votada em plenário. Caso aprovada, será encaminhada para sanção ou não do governador Cláudio Castro (PSC).

Depois de 47 anos com o nome Ponte Presidente Costa e Silva, mas desde sempre conhecida como Ponte Rio-Niterói, a construção também pode ser rebatizada. Um projeto de lei protocolado na Câmara, de autoria do deputado federal Chico D’Angelo (PDT), pede a mudança da via para Ponte Ator Paulo Gustavo. Na justificativa do projeto o parlamentar alega que “em outros mandatos, os parlamentares já tinha feito a proposta de alterar o nome da Ponte. Inclusive, até o Ministério Público Federal já propôs a alteração do nome. Porém, a Justiça Federal do Rio negou alegando que a mudança deve ser feita pelo Legislativo e não por medida jurídica”, diz Chico no projeto.

Rua e teatros

Em Niterói, uma consulta pública foi aberta na última quarta-feira (5) para os niteroienses decidirem se querem dar o nome do Paulo Gustavo à atual Rua Coronel Moreira César, em Icaraí. Até a sexta-feira (7), mais de 30 mil pessoas votaram, e a maioria com voto favorável a troca do nome, segundo a Prefeitura de Niterói.

A publicitária Elysa Benites, de 32 anos, mora na Rua Lopes Trovão há 15 anos, mas passa regularmente pela Moreira César. Ela diz que acha importante um lugar homenagear conterrâneos, já que ele fazia questão de exaltar a cidade.

“Ele não só morou aqui, ele viveu aqui. Ele conhece a cidade, mostrava nos filmes, estava sempre falando. Levou o nome de Niterói para o mundo. A mãe dele ainda morar aqui. Podia morar em Copacabana, mas faz questão de ficar aqui. Acho que seria muito legal”, disse.

Na Câmara de Vereadores de Niterói, pelo menos quatro Projetos de Lei foram protocolados para homenagear Paulo Gustavo. O primeiro altera o nome da Rua Coronel Moreira César, em Icaraí, para Rua Ator Paulo Gustavo, protocolado pela vereadora Walkiria Nictheroy (PCdoB). Outra proposta quer criar o Centro Cultural Paulo Gustavo em frente à Praça Getúlio Vargas, no local onde funcionou o Cinema Icaraí, de autoria do vereador Paulo Velasco (PTdoB).

Outro projeto de lei quer nomear o Centro Petrobras de Cinema com o nome do artista, uma iniciativa do vereador Andrigo de Carvalho (Solidariedade). O último projeto é um que autoriza a prefeitura a dar o nome de Cinema Reserva Cultural Ator Paulo Gustavo ao espaço que funciona no local que deverá abrigar o Museu do Cinema, de autoria da vereadora Verônica Lima (PT).

O deputado federal Felício Laterça (PSL) enviou um ofício à BR Distribuidora para rebatizar o Reserva Cultural de Niterói como nome do ator. Como justificativa, o deputado alega que nenhum outro artista tinha tamanha identificação com Niterói e aponta que a administração do local já sinalizou que vai acatar.

Camilla Galeano

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 − doze =