Policial que caiu de parapente passa por cirurgia

O sargento da Polícia Militar José Augusto de Lacerda, de 48 anos, que sofreu um acidente durante um salto de parapente, na manhã de quinta-feira (18), precisou ser submetido a uma cirurgia, na manhã desta terça-feira (23). Ele continua internado no Hospital Estadual Azevedo Lima (HEAL), no bairro do Fonseca, Zona Norte da cidade.

A Secretaria de Estado de Saúde confirmou que, durante a manhã, o policial foi encaminhado ao centro cirúrgico da unidade, mas não revelou a qual procedimento o militar foi submetido. “A direção do Hospital Estadual Azevedo Lima  (HEAL) informa que, neste momento, o paciente encontra-se no centro cirúrgico”, limitou-se a dizer o órgão.

Na sexta-feira (19), o saltador registrou piora no estado de saúde. Na ocasião, o órgão estadual afirmou que José apresentava quadro grave. É importante salientar que, na tarde de quinta, horas após o socorro, a unidade de saúde havia divulgado que o estado de saúde era estável.

De acordo com informações do 12º BPM (Niterói), no momento do primeiro, o praticante de voo livre se queixou de muitas dores na região do tórax. Imagens captadas por cinegrafista amador flagraram o momento da queda. O saltador, que deveria ter pousado na Praia de Charitas, parece perder o controle durante o voo, passando entre os prédios, quando ele perde sustentação e despenca na calçada de uma rua.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, o quartel de Charitas foi acionado às 11h10min. O parapentista, identificado como José A. de Lacerda, de 48 anos, caiu na Rua Clotilde Maria Linhares Pinsky, altura do número 555. Assim que os paramédicos chegaram ao local, constataram que os ferimentos inspiravam cuidados.

Segundo Dalton Machado, diretor do Clube Oceânico de Voo livre, o policial teve lesões nas costelas e região Lombar. Inicialmente, Machado descarta que tenha havido imperícia por parte do saltador, a quem avalia como um praticante experiente e disciplinado de voo livre. Segundo o diretor, é provável que tenha surgido um vento sudoeste forte subitamente.

“Ele já voa há um ano e meio, nunca teve incidentes e é muito disciplinado. Nesse dia a condição estava até propicia para o voo, entrando o sudoeste fraco e dá tempo de pousar, só que ele foi surpreendido por um sudoeste forte, e isso pode ter provocado a queda. Ele virou passageiro. É igual estar no barco em um rio contra a correnteza, você tenta nadar e não consegue. Ele só caiu porque entrou numa área de rotor, então o vendo ficou rotorizado”, disse.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

11 + 8 =