ÁUDIO: “Nem todo mundo que mora em comunidade é bandido”, diz familiar de criança morta por PM

Acontece, nesta quinta-feira (27), a partir das 13h, a audiência de instrução criminal relacionada à morte da menina Ana Clara Gomes Machado, de apenas 5 anos, em fevereiro deste ano, na comunidade Monan Pequeno, região de Pendotiba, em Niterói. O réu é o policial militar Bruno Dias Delaroli, lotado no 12° BPM (Niterói), suspeito de ter feito o disparo que matou a jovem.

Delaroli foi preso em flagrante, menos de 24 horas após o crime. A família de Ana Clara, imediatamente após a menina ser baleada, apontou a responsabilidade do agente. O processo corre na 3° Vara Criminal de Niterói.

Ana Clara Gomes Machado, de cinco anos morreu, após ser atingida por uma tiro, na Comunidade do Monan Pequeno, no Largo da Batalha, Região de Pendotiba de Niterói. Familiares acusam a Polícia Militar de ter feito o disparo.

Antes do julgamento, familiares e amigos realizaram protesto em frente ao Fórum, em Niterói.

A reportagem de A TRIBUNA conversou com Cristiane Gomes da Silva, mãe da menina Ana Clara. Ela disse que sua vida foi destruída após a morte da filha. Ouça

Cristiane fez ainda comentários sobre o que espera do julgamento:

Já Ana Cristina, tia da menina Ana Clara, disse que “nem todo mundo que mora em comunidade é bandido”.

Defesa se manifesta

O advogado do policial Delaroli, André Eduardo Heinig, afirmou que a defesa prefere não se manifestar no momento por entender que “é necessário aguardar a próxima audiência para esclarecer todos os fatos”. A expectativa é que a próxima audiência aconteça no dia 30 de junho.

Áudios e texto: Vítor D’Ávila

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis − 7 =