Polícia reforça a segurança no Preventório

O policiamento foi ainda mais intensificado na área da Zona Sul da cidade, mais especificamente no perímetro do Morro do Preventório, em Charitas, onde no fim da tarde de quarta-feira um confronto entre traficantes e policiais militares deixou saldo de dois criminosos mortos e outro ferido. O comando do 12º BPM confirmou que entre as denúncias que estavam sendo checadas na localidade, além da venda de drogas, estava a tentativa de cobrança de uma espécie de “pedágio do tráfico” (valor não revelado) para que as obras de conclusão do túnel Charitas-Cafubá não fossem ameaçadas de paralisação.

O coronel Fernando Salema, comandante do 12º BPM, confirmou que há cerca de 15 dias averiguava essas denúncias e afirmou que criminosos vindos de comunidades pacificadas do Rio estavam se escondendo no Morro do Preventório. Eles poderiam ser os mentores da tal cobrança. “Recebemos informes sobre a presença de criminosos que migraram de comunidades, como dos morros Falet-Fogueteiro (no bairro Santa Teresa) e do Complexo do Alemão (na Zona Norte do Rio). Desde o informe de que teriam chegado, passei a combatê-los. Antes disso a comunidade estava tranquila e depois disso passei a receber também denúncias sobre a paralisação da obra por conta das ameaças dos criminosos e desse tal esquema”, explicou Salema.

“A empreiteira, com respeito as pessoas de bem residentes na localidade, também havia contratado 150 moradores para trabalhar na obra, mas recentemente os criminosos passaram a fazer essas tais exigências. Passamos então a intensificar ainda mais as ações de repressão nos últimos 15 dias. Ontem (na tarde de quarta-feira) os criminosos nos confrontaram. Três foram baleados (desses, dois que não seriam oriundos da comunidade morreram). Chegou a ocorrer ameaça de manifestação e de fechamento de comércio, e por isso o policiamento foi reforçado na região”, explicou o coronel.

Durante o trabalho de combate a ação dos criminosos, que Salema se referiu, no dia 12 desse mês o 12º Batalhão prendeu Diego Ferreira, o Playboy, de 24 anos, um dos suspeitos de ter ordenado a paralisação das obras de construção do túnel. Na ocasião, os PMs foram ao Preventório para checar a mesma denúncia de que trabalhadores estariam sendo ameaçados por traficantes que estavam cobrando ‘taxas’ na obra. A PM prendeu Playboy numa casa, na Travessa Bela Vista, e apreenderam uma carga de drogas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × cinco =