PM quer desenvolver aplicativo para policiais acessarem manchas criminais

Augusto Aguiar

Na busca por uma parceria que beneficie a população do estado e gere mais segurança aos cidadãos, o comandante-geral da Polícia Militar do Rio, coronel Edison Duarte, reuniu-se com o procurador-geral de Justiça do Rio, Marfan Martins Vieira. Durante o encontro, que contou com a participação de promotores de Justiça e representantes das áreas de Tecnologia da Informação e Planejamento, foi discutida a criação de um sistema de georreferenciamento e gestão compartilhada de dados que traria avanços para a Segurança Pública no estado. O desenvolvimento de um aplicativo por parte da Polícia Militar, que possibilite ao policial o acesso a informações e a um mapeamento da área criminal em território fluminense em tempo real, interage com a iniciativa do Ministério Público do Estado (MPRJ), que desenvolveu o aplicativo “MP em Mapas”, um vasto banco de dados para auxiliar no trabalho de promotores e procuradores de Justiça.

A iniciativa eleva a possibilidade de uso de sistemas inteligentes e modernos na prevenção e solução de crimes. A ferramenta de pesquisa pode funcionar desde um localizador de ocorrências até a uma melhor comunicação entre as autoridades. O MPRJ, por meio desse compartilhamento de informações, ampliaria sua atuação na prestação de serviços à sociedade. Um exemplo de colaboração importante seria na área de combate à violência contra as mulheres. “Ao atender uma ocorrência de agressão doméstica, os policiais poderiam ter acesso a dados como se existe medida protetiva para aquela vítima, representando uma ferramenta de apoio à decisão”, ressaltou o coronel Edison Duarte.

Participaram também da reunião o coronel Victor Yunes, chefe de gabinete da PMERJ; o tenente coronel Batista, coordenador de Assuntos Estratégicos da PMERJ; a capitão Perovano, chefe do escritório de Gerenciamento de Projetos; as procuradoras de Justiça Patrícia Mothé Glioche e Viviane Tavares Henriques, coordenadora e subcoordenadora do Grupo de Atuação Especializada em Segurança Pública (GAESP), respectivamente; os promotores de Justiça Bernardo Vieira, assessor da Secretaria-Geral do MPRJ; Elisa Fraga, coordenadora de Segurança e Inteligência; Paulo Roberto Mello Cunha Junior, da 2ª Promotoria de Justiça junto à Auditoria da Justiça Militar; e Emerson Garcia, Consultor Jurídico do MPRJ; além do secretário de TI, Sandro Denis Nunes, e do servidor do escritório de inteligência de dados do MPRJ Daniel Belchior.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 − 16 =