PM nega irregularidades em aquisição de blindados

A Polícia Militar se manifestou sobre a aquisição de 15 veículos blindados, feita pela Secretaria de Estado de Polícia Militar (SEPM), que tem sido tema de reportagens em A TRIBUNA. Em matéria publicada na edição desta quarta-feira (7), o deputado estadual Luiz Paulo (Cidadania) afirmou que pretende solicitar ou provocar que o Tribunal de Contas do Estado (TCE) investigue a compra porque, segundo o parlamentar, há indícios de irregularidades no processo licitatório.

A reportagem questionou à secretaria sobre de que maneira transcorreu todo o processo licitatório; quais razões levaram à inabilitação da empresa Linkway, vitoriosa do item referente à carroceria, após recurso impetrado pela Combat, vencedora do item relativo ao chassi, que passou a ser contemplada em ambos os itens; e qual o posicionamento da SEPM referente ao pedido de impugnação feito pela empresa concorrente no processo, Transrio, tendo esta última afirmado qe, diante do curto prazo de entrega, “obviamente, indica que há algum fornecedor com o veículo pronto”.

Por meio de nota, a SEPM limitou-se a responder que “foram adquiridos 15 veículos blindados para transporte de pessoas por meio de um processo licitatório de Pregão Eletrônico, através de Sistema de Registro de Preços. Na licitação cumpriu-se todos preceitos técnicos contidos na Lei nº 8.666, de 1993, na Lei nº 10.520, de 17 de junho de 2002 e demais normas pertinentes ao assunto.”

Além disso, a assessoria da corporação complementa que “o Pregão Eletrônico nº 069/2020 conduzido pela Secretaria de Estado de Polícia Militar para aquisição destes veículos teve como vencedora a empresa Combat Armor, após a inabilitação de uma empresa concorrente por descumprimento das qualificações técnicas e econômico-financeira exigidas no edital”, sem especificar quais foram os motivos.

A reportagem também tenta contato com a Combat Armor do Brasil, vencedora da licitação, desde a última quinta-feira (1º). Contudo, até o momento, a empresa não se manifestou. Cabe ressaltar que, segundo publicação do jornal Folha de S. Paulo, Maurício Junot de Maria, homem forte da Combat no Brasil, teria ido, em 2020, à Brasília pedir “uma força” a Eduardo Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Este último é aliado do atual governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.