Piscinão de São Gonçalo mergulhado no esquecimento

Raquel Morais –

Os dias de calor intenso deixam os gonçalenses saudosos do Parque Ecológico Praia das Pedrinhas, que ficou conhecido como Piscinão de São Gonçalo. Além do lago artificial ficar somente na memória, o espaço, inaugurado em 2004, já foi palco de muito entretenimento, como o concurso que elegeu a Musa do Piscinão e as queimas de fogos no Réveillon. Atualmente, nem de longe o local lembra os áureos tempos, já que está abandonado pelo poder público desde 2014. A Suderj, autarquia vinculada à Secretaria de Estado de Esporte, Lazer e Juventude, informa que o parque está fechado para a prática de atividades desde março de 2017 e que segue buscando parcerias para uma revitalização.

O piscinão custou R$ 13 milhões aos cofres públicos, foi fechado em 2008, reabriu em 2010 com custo de R$ 4 milhões de revitalização e fechou novamente em 2014. Hoje seriam necessários mais R$ 2 milhões para recuperar a área e mais R$ 148 mil mensais para manter a estrutura em funcionamento, conforme dados da Secretaria.

O porteiro Ronaldo Oliveira, de 42 anos, mora no Jardim Catarina e disse que sente saudade do tempo que o Piscinão era uma opção de lazer para o gonçalense.

“Eu passei a virada de ano de 2011 lá e se tivesse novamente a queima de fogos no Piscinão eu iria com minha família”, contou.

Sebastian Ferreira, de 60 anos, mora na região do Boa Vista e disse que a área de lazer movimentava a economia local.

“Era bom para todo mundo e principalmente nos dias mais quentes. O Governo tem que olhar para isso. Na época que funcionava, o comércio local tinha mais movimento, as pessoas vendiam alimentos e bebidas e isso era uma maravilha”, comentou.

Dalila Rodrigues, de 27 anos, tem uma história com o local. Em 2011 ela ganhou o título Musa do Piscinão. Na época, chegou a largar o emprego para se dedicar aos desfiles.

“Eu fiquei sabendo do concurso, fui correndo me inscrever e larguei tudo na época pois eu amava desfilar e ser fotografada. Foram várias etapas de seleção até a final e ao ouvir meu nome na colocação de primeiro lugar eu fiquei anestesiada de tanta emoção”, contou a moradora do Porto da Pedra, em São Gonçalo. Ela lembrou que ganhou uma televisão de 32 polegadas, um ano de academia grátis, biquínis, curso profissionalizante, alguns trabalhos para lojas de roupa e até conseguiu fazer figurações em novelas.

“Quando passo lá na frente fico bastante incomodada com tamanho abandono e me lembro de tudo que vivi lá e realmente é muito triste. Me sentia segura, ninguém nunca me faltou com respeito e eu ia tanto para os eventos como para me bronzear em dias de sol”, completou.

Além do abandono do parque, o local tem figurado nas páginas policiais dos jornais. Isso porque tem se tornado ponto de desova para traficantes. A insegurança, principalmente à noite, tem incomodado os moradores, que antes transitavam com tranquilidades pelos arredores do Piscinão. Nem as caminhadas, antes frequentes, já não são mais tão comuns.

INFORMAÇÕES TÉCNICAS
O Piscinão ocupa uma área total de 60 mil metros quadrados, o lago artificial tinha nove mil metros de extensão e capacidade para 12 mil metros cúbicos de água, retirada da Baía de Guanabara. No verão e em períodos de férias recebia até quatro mil frequentadores nos fins de semana. A pista de caminhada tem 580 metros e três academias funcionavam no espaço, sendo uma delas exclusiva para a terceira idade. Além disso, um campo e uma quadra para esportes praticados na areia, um parque voltado para crianças, três quiosques, além de um palco em formato de anfiteatro com capacidade de até sete mil pessoas. Também foram construídos banheiros, postos médico e de guarda-vidas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *