Pesquisa quer ajudar profissionais da saúde no combate ao coronavírus

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) deu início a uma pesquisa para montar um panorama sobre as condições de trabalho dos profissionais da saúde que estão na linha de frente no combate à Covid-19. O questionário deve ser respondido pela internet, tem 22 perguntas, e não é preciso se identificar para concluir o procedimento. Os conselhos federais de Enfermagem e de Medicina estão apoiando o instituto, que além de identificar como os trabalhadores estão sendo tratados pelas empresas, visa também uma análise mais profunda sobre as consequências físicas, emocionais e psíquicas no período pós-pandemia.

A pesquisa divulgou também que os técnicos e auxiliares de enfermagem lideram o ranking dos casos confirmados de Síndrome Gripal por Covid-19 com 62.633 casos. Os enfermeiros estão em segundo lugar com 26.555 casos e médicos são 19.858 confirmados para a infecção. Já em relação aos óbitos pela Covid-19 os técnicos e auxiliares de enfermagem são a maioria seguida dos médicos e enfermeiros. A enfermeira Taylah Costa, 30 anos, disse que apesar do medo da contaminação não foi infectada pelo coronavírus.

“Existe uma sobrecarga de trabalho, a gente sabe que o ambiente fica exposto a uma carga viral muito grande, mas temos todo o suporte de equipamentos de proteção individual. Esses equipamentos são fornecidos pelo próprio hospital. Eu tenho medo da contaminação e tomo os cuidados necessários”, contou.

Entre as perguntas que devem ser respondidas no formulário estão: Em seu ambiente de trabalho, você está exposto a que tipo de agentes de risco?; Nesse estabelecimento, houve curso/treinamento para a equipe para o uso adequado de EPI para trabalho na linha de frente no combate à Covid-19?;

O que mudou em sua rotina profissional com a pandemia da Covid-19?; e Você tem recebido algum apoio, desse estabelecimento que atua, no combate à Covid-19?

Segundo nota da Fiocruz o estudo conhecerá a realidade das condições de trabalho dos profissionais na linha de frente da Covid-19 buscando compreender o ambiente e a jornada de atividade, o vínculo com a instituição, a vida do profissional na pré-pandemia e as consequências do atual processo de trabalho, envolvendo aspectos desse contingente profissional.

“Mesmo diante de um cenário de pandemia, observamos denúncias e relatos de profissionais que estão em situação de precarização do vínculo de trabalho, salários atrasados, insegurança e sobrecarga de trabalho que geram stress, adoecimento e desgastes físicos e psíquicos. Conhecer a realidade desse profissional contribuirá para o direcionamento de ações, estratégias e políticas públicas que promovam a melhoria das condições de trabalho das categorias atuantes no enfrentamento da pandemia do novo coronavírus. A participação dos profissionais é muito importante para delinearmos o cenário atual”, afirmou a pesquisadora da Fiocruz Maria Helena Machado, coordenadora do estudo.

Podem participar médicos (intensivista, infectologista, pneumologista, radiologista, clínico, cirurgião geral, anestesista, patologista, generalistas), enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem e fisioterapeutas (cardiorrespiratórios). A médica generalista Dra. Ana Sodré chamou atenção das dúvidas sobre o início da doença. “No início tinha muita falta de equipamentos pois as pessoas não sabiam ao certo a infectividade da doença. Eu trabalho em SUS e tive que providenciar muitas coisas por conta própria. Muita gente contaminou e por ser uma doença nova, sem protocolo oficial em termos de tratamento, muita gente ficou sem saber o que fazer e dependendo da experiência dos colegas. Manter a higienização, usar o EPI e pedir muito para Deus para evitar o contágio”, frisou.

DADOS NACIONAIS

De acordo com dados da Fiocruz o Sistema Único de Saúde (SUS) conta com mais de 200 mil estabelecimentos de saúde (ambulatorial ou hospitalar), possui cerca de 430 mil leitos e emprega diretamente mais de 3 milhões e 500 mil profissionais da saúde, sendo 2 milhões de médicos e profissionais que compõem a equipe de enfermagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

doze + dezessete =