Pesquisa mostra que acidentes fatais com ciclistas cresceu 300% em Niterói

Wellington Serrano –

Mais um atropelamento num trecho da ciclovia na Avenida Central, em Itaipu, na Região Oceânica de Niterói, nesta semana, levou ao pedido de providências urgentes à Prefeitura na questão da segurança dos ciclistas. Em pesquisa feita pelo Mobilidade Niterói, em parceria com o Pedal Sonoro, revelou que entre 2014 para 2016 Niterói teve um aumento de 300% no número de mortos de ciclistas.

O vereador Sandro Araújo (PPS) deu entrada, no início da tarde desta sexta-feira, no sistema da Câmara com Requerimento pedindo explicações dos órgãos competentes. “Senti na pele a dor da frustração ao ser atropelado e não ser respeitado”, disse. Ele realizou uma vivência de ciclomobilidade, com objetivo de fiscalizar a malha cicloviária de Niterói.

Agora, Sandro disse que, como presidente da Comissão de Lazer do Legislativo, vai comprar essa briga. “Depois que me mudei passei a percorrer de bike a distância entre o Engenho do Mato e o Centro de Niterói e só estou vendo o caos nas ciclofaixas sendo jogado para a calçada dezenas de vezes pelos ônibus que param em cima da ciclofaixas que estão apagadas e no contrafluxo”, lamentou.

Segundo ele, Niterói é uma cidade tão apropriada para o uso da bicicleta, mas não tem cuidado com os seus ciclistas. “É a cultura do brasileiro, que é impeditiva para o uso da bike como meio de transporte, mas vou partir para dentro e não vou desistir de salvar vidas que são perdidas por causa desta ignorância”, enfatizou.

O professor de urbanismo da UFF, Lino Antunes, denunciou que está havendo uma epidemia de atropelamento de ciclistas na cidade. “Tem pessoas que vão comprar pão na padaria e estão sendo atropeladas, em recentes levantamentos chegamos a registrar duas mortes por dia em locais diferentes desde Pendotiba até o Fonseca”, disse o professor, que aponta a pressa e a irresponsabilidade como as principais inimigas.
A cicloativista Railane Borges reforçou o agravamento dos acidentes. “Só em 2017 tivemos muitos acidentes alocados como médio e grave nas imediações da Marquês de Paraná e Amaral Peixoto”, lamentou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × 5 =