Pesquisa aponta que rejeição a Bolsonaro vai a 40%

O presidente Jair Bolsonaro não goza mais de uma base tão fiel na população. A rejeição a ele cresceu no último mês e chegou a 40%, segundo pesquisa do Instituto Datafolha divulgada nesta sexta-feira (22). O levantamento apontou que quatro em cada dez brasileiros considera a gestão do chefe de estado como ruim ou péssima. Em dezembro, o percentual era de 32%.

A imagem de Bolsonaro começa a ruir. A avaliação positiva (ótimo ou bom) caiu de 37%, em dezembro, para 31%. Ainda segundo o instituto, o percentual de pessoas que consideram o governo regular oscilou de 29% para 26%. O Datafolha entrevistou, por telefone, 2.030 pessoas em todo o país entre os dias 20 e 21 de janeiro. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Essa pesquisa é a primeira do Datafolha divulgada após o início da vacinação contra a Covid-19, em que o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), foi o primeiro a vacinar no último domingo (17), numa clara derrota política para Bolsonaro. Além disso, no último mês a crise causada pela pandemia ficou ainda mais grave.

Com o aumento de casos em todo o país, governadores intensificaram medidas de restrição de circulação e funcionamento do comércio. Além disso, ocorreu a crise provocada pela falta de oxigênio em Manaus, cuja situação era de conhecimento do Governo Federal. Para piorar a avaliação do governo, o auxílio emergencial, pago a famílias de baixa renda, deixou de ser distribuído no fim de janeiro.

A rejeição a Bolsonaro, segundo o instituto, é maior entre aqueles que têm muito medo de pegar a Covid-19. Neste grupo, a taxa de ruim ou péssimo aumentou de 41% em dezembro para 51% nesta sexta-feira. Entre quem tem pouco medo de infectar-se, a rejeição subiu de 30% para 37%. Já entre aqueles que declaram não ter medo da doença, 21% desaprovam o presidente e 55% o aprovam.

Impeachment – Mesmo com o crescimento da reprovação do presidente, 53% dos entrevistados pelo Datafolha é contra o impeachment de Bolsonaro. Para estes, a Câmara dos Deputados não deveria abrir um processo por crime de responsabilidade contra o presidente. Em dezembro, este número era de 50%. Quem é a favor do impeachment, que eram 46% em dezembro, agora são 42%. Outros 4% dos entrevistados não responderam a essa pergunta ou disseram que não sabem.

Aqueles que são contra o impeachment de Bolsonaro, a maioria mora no Centro-Oeste (60%) e no Sul (58%), é formada por homens (62%), com idade entre 35 e 44 anos (59%) e evangélico (64%). A Câmara dos Deputados já recebeu 61 pedidos de abertura de processo de impeachment contra Bolsonaro. Até agora, porém, não foi autorizada a abertura a nenhum. A decisão cabe ao presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × três =