Patrícia Tavares: A inteligência encanta e seduz

Será que ela está prestes a ser extinta?

Como ficará o desejo, o encantamento?

Tudo tão escasso, um mundo virado de ponta-cabeça …

Mas vou acreditar que a inteligência ainda dará um xeque-mate na esperteza.

A inteligência sempre foi soberana, mesmo quando se vestia de ignorante… Representava vários papéis ao longo do tempo, mas sempre a víamos ganhar e sair glamourosa diante de todos os cenários …

Agora existe o receio de que ela esteja ameaçada à extinção, e não esteja mais tão sensata, nem tão “dona do pedaço”, talvez ela perca para a ilusão…

Vamos vivendo e olhando para os palcos do poder e do ódio, assistimos a espetáculos sem fim, com uma pobreza de vocabulários, ideias e ideais, um sarcasmo ofensivo e desconfortante…

Um cenário caótico, mas muito mais que caótico: soberano e sem perspectivas de terminar.

Enquanto isso, existem espectadores da ignorância ou da falsa inteligência que aplaudem tudo que há.

Eu prefiro olhar, observar, como uma analista, como um psicólogo, sem tirar conclusão…

Apenas tentando entender os conflitos, as nuances do sistema, exercitando meu olhar profissional para analisar as dores intensas, as maiores frustrações de todos os envolvidos, “os prazeres” e os “não prazeres” de todos, tudo com entendimento psicanalítico, e não me contaminar com extravagâncias do sentir. Afinal de contas, existe uma doença nacional que é preciso ser muito bem entendida e, a meu ver tratada, e essa doença não é apenas exposta ou física, que necessita de médico e remédio, mas é algo muito subjetivo, em que é preciso muito cuidado, muita avaliação;  é para ser entendido por um psicólogo, analista, por um médico da alma…

Sofro eu, sofre você, sofrem todos, mas ninguém vê.

Sucumbidos no corpo, nos sentimentos, na alma, no espírito, mas ninguém consegue ver. Que mal é esse que assola nosso coração, o coração do país?

Estamos todos perdidos. Quem sou eu? Quem é você? Onde está o Brasil? Estamos no mesmo país? Ou apenas por um triz?

A história dá nós, e a perplexidade toma conta de perguntas, respostas, reflexões…

Quem somos nós?

É preciso um pouco de cautela e atenção para ver o que não está dito, posto. É preciso um pouco de cautela para que todos não se transformem em inimigos…

E onde está o dar as mãos, a união, a verdadeira humanidade? Todos calados ou desunidos.

Ninguém quer isso não, a desunião.  

Somos mais fortes que toda ignorância, que toda a lacuna do que não é bom, somos muito mais que sentimentos vãos. Somos garra e nação. Não queremos sucumbir.

Inteligência, tome conta dessa nação, não nos abandone não, por favor, nos dê as mãos. Venha mudar o panorama das pessoas, trazer mais união e compaixão.

Inteligência, reaja e traga mais verdades e felicidades para todas as pessoas dessa vida e que ela possa ser mais bem vivida sem a escravidão da temida ignorância.

Que o raciocínio e a inteligência possam elucidar e vencer qualquer outra forma de avaliação. Neste contexto, que possa existir reflexão e elucidação pela lógica da razão.

Senhoras e senhores, reflitam e tragam mais amor e inteligência aos corações.

A inteligência encanta e seduz. Ela é luz!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × 1 =