Partos na adolescência caem no Brasil e em Niterói

Raquel Morais –

Um levantamento do Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos (Sinasc) apontou uma queda de 17% na gravidez durante a adolescência em todo o país. A diminuição também afetou a Região Sudeste, com 32%, e Niterói não ficou de fora das estatísticas. Segundo a Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro (SES), no Hospital Estadual Azevedo Lima (Heal), no Fonseca, a queda foi de 28,45%. A Prefeitura de Niterói também confirmou a redução de 26% de partos entre esse público no hospital municipal que realiza esse procedimento.

A nova faixa etária estabelecida pelo Ministério da Saúde (MS) classifica como adolescentes pessoas abaixo de 20 anos. E de acordo com a Prefeitura de Niterói, em 2016, 1.600 partos foram realizados na Maternidade Municipal Alzira Reis Vieira Ferreira (MMAR), em Charitas, sendo que 30% desse total (ou 480 partos) dentro desse público específico. Ainda de acordo com a nota, já nos primeiros quatro meses de 2017 foram realizados 520 partos, sendo que o percentual de gestantes caiu para 26%, totalizando 135 partos.

1 - flavia do vale (6)

Já na rede estadual, o Heal, na Zona Norte, contabilizou nos quatro primeiros meses de 2017 o nascimento de 246 bebês de mães nessa faixa etária. No mesmo período do ano passado, foram 316 nascimentos na unidade, queda de 28,45%. “A adolescência traz consigo um aumento de riscos de complicações na gestação. É uma fase caracterizada pela imaturidade física, funcional e emocional que acaba deixando a mulher mais predisposta a essas complicações. Existe uma maior incidência de pré – eclâmpsia e eclâmpsia, parto prematuro, fetos com baixo peso. Além disso, há aumento do risco de depressão no pós-parto e de rejeição do bebê, fato que se agrava pelo alto índice de gestações não planejadas”, comentou Flávia do Vale, coordenadora de Obstetrícia do Hospital Icaraí, no Centro.

Para o Ministério da Saúde a queda no número de adolescentes grávidas está relacionada a fatores como a expansão do programa Saúde da Família, que aproxima os adolescentes dos profissionais de saúde, mais acesso a métodos contraceptivos e ao programa Saúde na Escola, que oferece informação de educação em saúde. Ainda de acordo com informe 66% dos casos de gravidez em adolescentes são indesejados e a Região Nordeste é a que mais tem registros de mães adolescentes.

One thought on “Partos na adolescência caem no Brasil e em Niterói

  • 9 de junho de 2017 em 23:00
    Permalink

    Simplesmente adorei as dicas citadas aqui, realmente a infertilidade é um grande problema que afeta muitas mulheres e acredito que com um bom tratamento nós podemos conseguir o tão sonhado filho ou filha. Adorei seu blog.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × três =