Painel: Rendimentos de brasileiros caíram 8,7% no primeiro trimestre de 2022

Estudo divulgado na sexta-feira pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostra que os rendimentos habituais reais médios dos brasileiros caíram 8,7% no primeiro trimestre de 2022, ou seja, entre janeiro e março, em comparação com o primeiro trimestre de 2021, chegando a um valor de R$ 2.548.  

Segundo o Ipea, essa queda impactou mais os domicílios de renda mais alta, o que fez com que, nos três primeiros meses de 2022, houvesse uma redução de desigualdade, em relação ao mesmo período de 2021. Os dados do estudo mostram que os domicílios de renda mais alta foram os que tiveram uma queda da renda habitual de 3,98%, enquanto a faixa de renda baixa teve uma queda de 1,17%.

De acordo com o Ipea, a maior redução dos rendimentos entre aqueles com renda mais alta deve-se a queda da renda dos trabalhadores do setor público. Os empregados com carteira no setor privado, sem carteira no setor privado e, sobretudo, do setor público encontraram dificuldade em negociar reposições salariais ao longo de 2021, apesar da recuperação do crescimento da atividade econômica observada no ano.

Menor valor desde 2012 – Ainda na sexta, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua Rendimento de todas as fontes 2021. A pesquisa do IBGE mostra que, no segundo ano de pandemia, em 2021, o rendimento médio dos brasileiros caiu para o menor patamar registrado desde 2012. O rendimento médio mensal real domiciliar per capita em 2021 foi de R$ 1.353. Em 2012, primeiro ano da série histórica da pesquisa, esse rendimento era o equivalente a R$ 1.417. Em 2020, no primeiro ano de pandemia, era de R$ 1.454.

A pesquisa do IBGE considera não apenas a renda por trabalho, mas todos os rendimentos, incluindo, por exemplo, aqueles provenientes de programas sociais como o auxílio emergencial. Os dados são referentes ao ano passado e não chegam, como o Ipea, a tratar de 2022.

GOVERNO E MERCADO ESTUDAM CONGELAMENTO DE PREÇOS

O ministro da Economia, Paulo Guedes, admitiu o congelamento de preços para conter a onda inflacionária e o presidente Bolsonaro, dizendo já existir isenções demais, pediu aos supermercados para reduzirem os seus lucros, lembrando que o governo já está reduzindo alíquotas do ICMS e do IPI.

O congelamento e a aplicação do antigo sistema CLD (Custo, Lucro e Despesas) vinha sendo defendido por esta coluna e agora tem a aceitação do governo e, com delimitação de tempo, pelo setor empresarial reunido no Fórum da Cadeia Nacional de Abastecimento, que defendeu a duração por dois ou três meses. O governo pretende que dure até 2023, quando os preços seriam realinhados.

Bolsonaro descartou equivalência com o Plano Sarney, criador dos “fiscais do povo”, fator de inquietação para o empresariado. Ele criticou a excessiva elevação de 67% ao ano no valor da Cesta Básica, diante de uma inflação de 11,74% e citou haver muita isenção, inclusive para comidas finas. 

“Trégua nos preços” foi a expressão mais usada, com a citação de baixa nos preços dos combustíveis e no início de ligeira queda na medição mensal da inflação.

Empregos em cruzeiros

Companhia especializada em contratação de pessoal para operar os cruzeiros marítimos de várias frotas, a Cast Away South América abriu inscrições para o preenchimento de mil vagas e marcou a realização de eventos de contratação de pessoal em vários Estados.

As inscrições na área do Rio de Janeiro serão aceitas pela internet da Royal Caribean e os eventos de contratação ocorrerão dia 15 de junho, em São Paulo, e no dia 26, no Rio de Janeiro.

Favorecendo Haddad

Após a impugnação do domicílio eleitoral do ex-juiz Sérgio Moro, que pretendia concorrer ao Senado como representante de São Paulo, agora é o ex-ministro Tarcísio de Freitas que está correndo o risco de não poder concorrer ao cargo de governador, abrindo caminho para Fernando Haddad, líder nas pesquisas.

Os dois apresentaram à Justiça declaração de domicílio eleitoral, não comprovando a moradia em São Paulo.

CIRO NO G1

No podcast de Renata Lo Prete, na plataforma do G1, o ex-ministro Ciro Gomes será entrevistado durante uma hora e vinte minutos, a partir das 15 horas de segunda-feira (13).

A jornalista aceitará perguntas aos candidatos formuladas pelos ouvintes através da sua coluna “Assunto”.

A escala semanal com os “presidenciáveis” prosseguirá já tendo mais três confirmações, mas Lula e Bolsonaro ainda não garantiram suas presenças.

LIVRO NOVO

A jornalista Verônica Oliveira, que assumirá uma cadeira de “imortal” na Academia Niteroiense de Letras, vai juntar ao seu currículo a edição de mais um livro histórico.

Seu mais recente lançamento narrou a história da Medicina no Estado do Rio, durante o centenário da Associação Médica Fluminense.

Desta vez contará a história dos 50 anos do GayLussac.

A sua posse será no plenário da Câmara Municipal, às 19h de terça-feira (14).

MOTOS ELÉTRICAS

Mesmo a liderança como veículo com maior percentual em acidentes graves e o crescimento dos roubos furtos deste meio de transporte, a frota de motocicletas está em ampla expansão.

Se as tradicionais já são favorecidas no tráfego, agora estão em ascensão as elétricas. De janeiro a maio foram produzidas 3.662, num aumento de 878% em relação a igual período de 2021.

Se há fuga do consumo de gasolina, resta saber como ficará o preço da energia elétrica quando se efetivar a privatização da Eletrobras.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.