PAINEL: PRORROGAÇÃO DO AUXÍLIO EMERGENCIAL COMEÇARÁ A SER PAGA NO DIA 18

A quinta parcela da prorrogação do auxílio emergencial 2021 começará a ser paga no próximo dia 18 para os Beneficiários do Bolsa Família. Para o público geral, que recebe por meio da conta poupança digital, os depósitos
começarão no próximo dia 20. O calendário da prorrogação do auxílio emergencial foi anunciado há pouco pelo ministro da Cidadania, João Roma, e pelo presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães. O cronograma inclui pagamentos em fins de semana e feriados, assim como o pagamento a beneficiários nascidos em meses diferentes num mesmo dia. A quinta parcela será depositada para o público em geral – trabalhadores informais e inscritos no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal – entre 20 e 31 de agosto, variando conforme o mês de nascimento. A sexta parcela será creditada entre 21 de setembro e 3 de outubro. A sétima parcela será paga de 20 a 31 de outubro. O pagamento aos beneficiários do Bolsa Família será realizado nos dez últimos dias úteis de cada mês, como ocorre desde o início do auxílio emergencial, no ano passado. Em agosto, os depósitos ocorrerão entre os dias 18 e 31. A sexta parcela será creditada entre 17 e 30 de setembro. A sétima e última parcela será paga entre 18 e 29 de outubro. O calendário é distribuído conforme o dígito final do Número de Inscrição Social (NIS) e o saque pode ser efetuado no mesmo dia do depósito.

Bagunça partidária favorece a irresponsabilidade política

Uma democracia não tem como marca a diversidade de partidos quando isto ocorre para identificar quem é o seu “dono” ou o jogo de interesses de encobertas corporações ou serve para abrigar bandeiras segmentadas por interesses grupais e não à interpretação dos sentimentos e anseios nacionais.

A poli-partidarização favorece a negociatas para unir bandos na busca dos seus objetivos. Pior ainda, quando ocorrem desconexas coligações, com figuras de posições radicais se unindo, não em torno de projetos de gestão, mas de conquistas pessoais.

Há muita gente por trás das agremiações políticas, movimentando o jogo de xadrez.

Ser contra Lula, ser contra Ciro ou ser contra Bolsonaro é um estímulo para se evitar o debate em torno dos problemas coletivos, centrando-se as atenções em razões íntimas de ódio ou de amor, por simpatia ou antipatia irrelevantes. É uma escalação improvisada de inimigos cansados.

Precisamos de novos quadros, para uma seleção de valores novos na política.

Precisamos fugir das “torcidas organizadas” e nos organizamos em legiões de eleitores conscientes de seus deveres diante do interesse do povo e do país.

“Sombrão” eleitoral

Depois da conquista do “Centrão” e sem poder criar o seu próprio partido, o Presidente Jair Bolsonaro ficou em difícil situação para escolher apenas uma legenda destinada a apoiar a sua candidatura.

Ensaiou ingressar no partido de Collor de Mello e depois se declarou do “Centrão”, pois já foi do PP.

A situação ficou difícil para o grande número de deputados federais que querem se reeleger e dos que querem ser candidatos pelo “partido do Presidente”.

Há limitação de vagas e a impossibilidade de mudanças partidárias.

Com a volta do direito à coligação será possível o abrigo de muita gente debaixo de um “Sombrão” com muitos partidos unidos.

Um desafio Bomba

A “Águas do Rio” já está assumindo o controle dos serviços operados pela Cedae em São Gonçalo e em Maricá.

Uma das metas da privatização é o tratamento de esgotos com vistas, também, à despoluição da Baia de Guanabara.

Pelas imagens do “Trata Brasil” o problema da degradação das águas guanabarinas começa na foz do rio Bomba que é, exatamente, o marco limítrofe entre Niterói e São Gonçalo.

O ideal é a união da nova empresa com a Águas de Niterói e o apoio das duas prefeituras, para o início de limpeza, dragagem e reurbanização das laterais do rio.

Irresponsabilidade

No dia 11 de junho um cidadão pagou R$ 2,10 pela selagem para cada carta simples dirigida aos seus amigos.

A postagem feita em Icaraí chegou a um destinatário, residente a 2,5 km de distância, no dia onze.

Não. Não foi no mesmo dia: chegou dia 11, mas de agosto. Uma demora de dois meses.

Num país sério, todos chefes, funcionários e agregados que receberam a correspondência, manipularam na agência e encarregados de entregá-la prontamente, teriam de prestar esclarecimentos para se apurar as causas e responsabilidades deste descaso com uma função de interesse público.

A anarquia começou com o propósito da privatização dos Correios.

Via exclusiva

É impressionante o registro de um automobilista que saiu às 16h01min do Aterro do Flamengo e chegou à Praça Renascença, em Niterói, às 16h16 na quarta-feira.

O sucesso de mobilidade deve-se ao fato das pistas do Flamengo e do Túnel Marcelo Alencar representarem uma via expressa, sem sinais, radares ou qualquer cruzamento, fatores aliados ao baixo movimento no tráfego pela Ponte.

Um detalhe: ele saiu de Botafogo, mas evitou o caminho mais curto, que seria o Túnel Rebouças, Elevado Paulo de Frontin e a Avenida Francisco Bicalho, afetados pelas retenções no tráfego.

Também seria mais demorado o sistema Barcas-VLT-Metrô.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 1 =