Painel: Prefeitura precisa de espaço e Estado pode ajudar Zonas Eleitorais

A descentralização precisa alcançar a Justiça Eleitoral.

É um incomodo para quem mora no Rio do Ouro, Itacoatiara, Piratininga, Jurujuba, ou Santa Bárbara ter de se deslocar em até 17 km para tratar de documentação nas quatro zonas eleitorais da cidade de Niterói, todas localizadas em três andares da sede da administração municipal.

O ideal seria sua localização nos bairros onde residem os eleitores.

A71ª Zona Eleitoral abrange, basicamente, a região Leste (até Várzea das Moças); a 72ª ZE, de Icaraí a Maria Paula; a 144ª ZE, os bairros da Zona Norte; e a 199ª ZE compreende a Região Oceânica, nela se incluindo Maria Paula.

No passado, eram 10 as zonas e todas situadas no mesmo prédio do centro da cidade. Em 2017, elas foram limitadas a quatro.

Espaço da Prefeitura

A concentração começou em 1967, quando estava no “esqueleto” o prédio de 10 andares, projetado para abrigar o Tribunal Regional Eleitoral do então Estado do Rio, com ação, na época, em 62 municípios.

A obra parou em 1974 em decorrência da fusão RJ-GB.

A Prefeitura de Niterói, fortalecida com os recursos novos oriundos da nova Constituição de 1988,

passou a criar Secretarias, Fundações etc. Com espaço limitado, passou a alugar imóveis para suas repartições.

Adotando o lema “juntar dois problemas para encontrar solução comum”, como defendia este jornal, o prefeito Waldenir Bragança adotou o ‘ovo de Colombo’: propôs concluir a edificação em troca da destinação de três pavimentos para abrigar as desalojadas 10 zonas eleitorais.

Solução inteligente e exemplo de integração de órgãos públicos, executada numa época em que as Prefeituras eram pobres em receitas.

Nova Prefeitura

A obra foi inaugurada em 1987, para alegria do novo prefeito eleito em 1988.

Hoje, a Prefeitura, mesmo tendo conquistado amplo prédio no Caminho Niemeyer, voltou a sofrer a carência de espaço para as suas ampliadas repartições.

Mas o exemplo pode ser a solução: o Estado ceder dois imóveis semi-inativos do DER, na Avenida Professor Heitor Carrilho, para funcionamento das Zonas Eleitorais, num ponto de mais fácil acesso a todos os bairros. Isto se as ZE não aceitarem a econômica descentralização.

Com a medida, a Prefeitura não precisaria fazer uma nova edificação, como foi premente há três décadas.

Centro amplia ação

Os partidos conservadores estão formando um leque muito amplo de “presidenciáveis”.

Após o PODE dar realce à candidatura de Sérgio Moro, o PSDB firmou, em convenção nacional, a decisão de contar com candidato próprio e será aquele escolhido na prévia a ser efetivada no fim de semana. Já o PSD, optou pela candidatura do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (foto).

O PRTB não confirmou a propalada candidatura do general Mourão, pois ele está propenso a atuar eleitoralmente no Rio de Janeiro ou no Rio Grande do Sul.

O anúncio do ingresso de Jair Bolsonaro no PL- a ser ratificado hoje – faz antever que outros partidos do “Centrão” se desvincularão da candidatura de Jair Bolsonaro.

Não sobrou nenhuma…

O som irritante da motosserra voltou, após uma fase de retirada estratégica do espaço do ‘Pomar José Bonifácio’, onde derrubou seis árvores que, segundo a Secretaria do Meio Ambiente, estavam atacadas por cupins.

Agora o ‘efeito amazônico’ voltou-se para o fundo do terreno, atingindo a mais frondosa das mangueiras, que estava na época de oferta de frutos em meio aos seus mais de 50 anos de vida saudável.

O verde e a sombra sumiram, substituídos por um panorama branco com pinceladas de vermelho.

Algo também ‘saudável’ com o abrigo para 20 novas ambulâncias de uma empresa local, que se espalhou pelo Brasil e espera receber outras 50 a serem destinadas ao Maranhão.

A Secretaria do Meio-Ambiente não explicou claramente a sua posição neste episódio na cidade orgulhosa na defesa ecológica.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 5 =