Painel: Ipea revisa inflação para 2022 com aumento de 6,5% para 6,6%

Uma revisão do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) elevou levemente o índice que mede a inflação de 6,5% para 6,6% em 2022. A análise foi feita pelo Grupo de Conjuntura da Diretoria de Estudos e Políticas Macroeconômicas (Dimac) do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), que manteve em 6,3% a previsão do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

A revisão leva em conta o fato de a inflação brasileira, como ocorre em vários outros países, vir sendo impactada pela aceleração dos preços das principais commodities, que são os produtos agrícolas e minerais comercializados no mercado internacional, “refletindo os efeitos da guerra entre Rússia e Ucrânia sobre a produção e comercialização de petróleo, gás e cereais, além do persistente descasamento entre a oferta e a demanda mundial de insumos industriais”, diz o documento divulgado ontem (29).

A análise considera também os danos registrados em diversas lavouras temporárias, causados pelos eventos climáticos, no início de 2022, e a retomada do setor de serviços, no período pós-pandemia de Covid-19. Com essa pressão, a inflação brasileira, medida pelo IPCA, já chega a 4,8% entre janeiro e maio deste ano e, nos últimos 12 meses, acumula alta de 11,7%.

O documento informa que além de uma revisão maior dos alimentos no domicílio e dos bens livres, cujas previsões avançaram de 9,1% e 5,4% para 12,3% e 9,1%, respectivamente, a inflação estimada para os serviços livres também subiu, passando de 5,5% para 6,8%. No sentido contrário, a inflação estimada para os preços monitorados caiu de 6,9% para 1,1%.

Cenário mais favorável – Os pesquisadores destacam, entretanto, que “apesar desse contexto marcado por uma inflação corrente elevada e pela perspectiva de que pontos de pressão inflacionária, como petróleo, bens industriais e serviços, ainda se mostrem resilientes à queda, o cenário inflacionário projetado para os próximos meses vem se tornando mais favorável”. A expectativa é de acomodação no preço das commodities agrícolas e há estimativa de melhora na projeção da safra brasileira em 2022. Além disso, a implementação da Lei Complementar 194/2022 deve contribuir para uma alta bem menos acentuada dos preços administrados este ano, destaca o Ipea.

PAES CONVERSOU COM TODOS E SE ISOLOU

Eduardo Paes não se arriscou a deixar a Prefeitura em meio ao mandato para disputar o Governo do Estado. Desde o início das gestão atritou-se com o seu vice, Nilton Caldeira, que poderia substitui-lo e ser candidato à reeleição. Isto prejudicaria o seu plano de longo prazo: chegar ao governo estadual, concorrendo em 2026.

Conceituado como bom gestor na “era Cabral”, não quis ficar no anonimato, mas conquistar uma liderança politica para projetá-lo nacionalmente. Passou negociar a sua presença como vice, na chapa de Lula. Descartado, passou a manter conversações com as mais variadas liderança e até a prometer apoio a vários candidatos ao Governo. Mas apresentou um nome íntimo e até articulou, a união do PSD com o PDT, com aquele que havia lançado candidato a governador. O que foi desfeito nesta semana. Não quer se projetar como apoiador de um candidato a vice.

Afinal seu provável adversário na disputa pela Prefeitura do Rio, em 2024, o também ex-prefeito César Maia, que integra a chapa de Marcelo Freixo, como postulante a vice.

A grande movimentação multipartidária não foi positiva para o prefeito, que deixou de passar montado no cavalo que poderia levá-lo ao Palácio Guanabara, face o prestígio e a credibilidade acumulados com as obras de mobilidade para a Olimpíada Rio-2016, efeito positivo que granjeou juntamente com o governador da época, Sérgio Cabral Filho.

ONDE ESTÃO OS BONS PALANQUES?

Não existe um candidato a governador capaz de representar ampla liderança simultânea nos antigos estados do Rio e da Guanabara.

A soma dos dois envolve 12.414.874 eleitores, dos quais 4.839.310 estão inscritos na cidade do Rio de Janeiro, considerada o “tambor do Estado”, mas com muitos originários do interior fluminense.

O segundo maior contingente está concentrado em seis cidades da Baixada Fluminense com 1,4 milhão e o terceiro na região Leste e na Região dos Lagos, com 1,3 milhão.

Na região Norte-Noroeste o maior contingente está em Campos dos Goytacazes (334 mil). No Centro Norte e na Região Serrana estão quase 500 mil em Petrópolis, Teresópolis e Nova Friburgo e mais os pequenos municípios.

No Sul, a liderança é de Volta Redonda, com 212 mil, seguido de Barra Mansa (127 mil) e Angra dos Reis (112 mil).

O poder de cada um

Basicamente o atual governador Cláudio Castro empata com Marcelo Freixo na preferência do eleitorado do Rio, mas ambos têm pouca atuação no interior.

Já Rodrigo Neves virá logo abaixo coma esperança de contar com 70% dos votos na região litorânea de Niterói a Armação de Búzios. Quer lançar um vice e um senador com prestígio no Rio e trabalha nos municípios médios e pequenos.

Mandato ameaçado

Condenado à um ano e sete meses de prisão, o vereador niteroiense bolsonarista Douglas Gomes vai recorrer da sentença que ameaça deixá-lo com menos da metade do tempo do mandato conquistado.

Ele foi acionado pela vereadora do PSOL, Benny Briolly, inconformada por ter sido vítima de preconceito, denominada pelo colega como “homem”.

Igual acusação havia sido feita contra outro vereador do PSOL, Paulo Eduardo Gomes, que tivera o mesmo procedimento em relação à vereadora do PT, Verônica Lima.

Já o bolsonarista tem formulado acusações a jornais e a jornalistas, repetindo postura de outro vereador do PSOL.

O radicalismo está gerando consequências nos blocos extremados da direita e da esquerda.

‘Rindo feito um condenado’

Essas foram as palavras ditas pelo vereador Douglas Gomes ao comentar ontem no plenário da Câmara a decisão que o condenou à prisão. O tom de deboche e desrespeito a uma medida tomada por um magistrado é referência a um ‘meme’ que viralizou com a imagem do ex-presidente Lula às gargalhadas.

Consternação

Ainda sob a emoção da perda do monsenhor Elidio Robaina, os fiéis de Niterói foram abalados com o precoce falecimento de Lorenzo, jovem fino e de 15 anos, em acidente viário. Ele era filho do ex-vereador Wilde Ricardo, que largou a batina quando atuava sob admiração pública, na Igreja de São Judas Tadeu.

“‘O senhor me deu, o senhor me tirou, bendito seja o nome do Senhor’. O senhor me pediu meu Isaac. Eu lhe ofereço como um cordeiro puro e sem mancha. São Pedro, abra as portas do céu para ele”, escreveu Wide.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.