Painel: Estado do Rio e Petrobras firmam protocolo para áreas do Polo GasLub

Para viabilizar a retomada econômica no setor de óleo e gás, o governo do estado do Rio de Janeiro assinou, na sexta-feira (10), protocolo de intenções com a Petrobras para a cessão de áreas do Polo GasLub, antigo Comperj, em Itaboraí, na região metropolitana.

O objetivo do protocolo é criar condições para implantação de um polo industrial para atrair empresas que poderão utilizar a infraestrutura e os insumos disponíveis no Polo GasLub de Itaboraí. A iniciativa visa a elaborar estudos, bem como realizar o intercâmbio dos dados e informações necessárias ao desenvolvimento de oportunidades na região.

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, lembrou que a economia do estado do Rio tem estreita relação com os setores de petróleo e gás natural. “Afinal, é aqui que se produz mais de 80% do petróleo e mais de 60% de todo o gás do país”, disse o ministro, durante a cerimônia de assinatura no Palácio Guanabara, na capital fluminense.

O presidente da Petrobras, Joaquim Silva e Luna, destacou que o resultado da presença da companhia traduziu-se em uma contribuição de R$ 70 bilhões em arrecadação de royalties e Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para o estado, nos últimos cinco anos.

“Em 2020, mesmo durante o período de pandemia, mantivemos nosso elevado padrão de entregas. Foram R$ 26 bilhões em contratos com mais de 2.600 empresas na região, e 70% de nossos investimentos em pesquisa e desenvolvimento estão alocados em projetos executados na região”, acrescentou  Luna.

Temer como ‘plano B’ para 2022

Aparecendo como a boia salvadora para o presidente Jair Bolsonaro no ápice da “crise do 7 de setembro”, o ex-presidente Michel Temer se projetou como o pacificador da República ameaçada pelo radicalismo que vinha se apresentado como um tsunami tocado pela direita.

A missão harmonizadora deveria caber aos presidentes do Senado e da Câmara Federal eleitos pelo “Centrão” engrossado por Bolsonaro. Ambos sentiram a gravidade do iminente naufrágio provocado pelo rombo no casco da nau governamental, após o choque com o rochedo representado pelo STF.

No momento certo Bolsonaro mandou um avião a São Paulo em busca do “salvador da Pátria” imagem agora conquistada pelo ex-presidente, sucessor de Dilma Rousseff, mas que chegou a ser preso e ameaçado de ser declarado inelegível.

Enxotando o terror

Os arroubos cessaram mas ainda está no ar o som ameaçador de radicais que abertamente ameaçaram matar ministros do STF e estabelecer no país um “paredão” visando executar os contrários aos desmandos do grupo empolgado pelo poder.

As esquerdas se encolheram sabiamente evitando confrontos nas ruas.

Mas o esvaziamento do processo de reeleição do atual presidente não significa a pacificação, pois a volta de Lula ao poder é indesejada por outra parcela da população.

Ameaça a Lula

O Blog do Vicente, no “Correio Braziliense”, analisa o olhar de investidores internacionais com relação à situação brasileira, inclusive expressando o temor de ser mantida a radicalização na fase eleitoral.

Aprofundando o pessimismo é expresso o temor de que o ex-presidente Lula possa sofrer um atentado.

E já quem vista a farda da pacificação Lula-Bolsonaro para o encontro de um “tertius” capaz de governar o país com moderação e preservando a Democracia.

Barra limpa 

(Antonio Cruz/Agência Brasil)

Michel Temer se afastou do processo eleitoral por ter sido condenado de destinar R$ 100 mil de doação à campanha eleitoral de um candidato gaúcho, num abuso por haver ultrapassado em 1,9% o limite legal.

Também foram levantadas outras acusações contra ele e o então ministro Moreira Franco, empenhados em implantação, através da iniciativa privada, de aeroporto no interior do país.

Não será surpreendente se Moreira Franco voltar a pretender ser governador do Estado do Rio, pelo PMDB

O recuo da UFF

Criado para ser a grande Universidade desejada pelos fluminenses, a UFF se revela senil precocemente nestes seus 61 anos de nascimento pelas mãos de JK e do então senador Vasconcelos Torres.

Mesmo tendo sido favorecida com a construção de 25 prédios na gestão do ministro Fernando Haddad quando o reitor era o professor Roberto Salles, a UFF se fechou em Niterói, mas aberta a quem viesse do interior em ônibus contratados pelas prefeituras.

Avanço privado

As universidades particulares estão avançando para o interior em meio ao sonho da gigante UFF sempre reclamando por mais verbas.

Após Rio Bonito, agora é Maricá que assiste a chegada e a atuação da UniLaSalle, Uni-Rio (Polo de Alimentação) e a Universidade Veiga de Almeida (UVA).

A UFF tem vários prédios ociosos e alguns em deterioração, não concluiu a obra do edifício da nova Faculdade de Medicina, anexa ao HUAP e deixou abandonados os valiosos prédios do Cinema Icaraí, da Escola de Serviço Social e do DCE.

Tragédia prevista 

Quatro dias após a tragédia do World Trade Center, republicamos foto extraída de um gibi francês (1988) em cuja capa um monstro no estilo egípcio e originário de um jovem que sofria o chamado “bulying” se vingava do modelo de vida norte-amerticano.

Em comentado texto reportamos que o atentado terrorista havia sido inspirado na imagem propagada, alertando para os riscos da “criatividade” e incentivo para a violência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

20 − 19 =