Pacientes reclamam da falta de médicos em unidades de saúde de SG

Wellington Serrano –

Um paciente do Posto de Assistência Médica de Alcântara (PAM) e do Posto Jorge Teixeira de Lima, mais conhecido como Posto da Rua Cariranha, no bairro Jardim Catarina, em São Gonçalo, reclama da falta de médicos nas unidades.
Através de denúncias feitas pelo WhatsApp de A Tribuna (97848-4642), ele informou que procurou atendimento para agendar os serviços de oftalmologista e dermatologista nos locais e não conseguiu atendimento porque não havia médicos nas unidades.

O morador, que pediu para não ser identificado, chegou a registrar os atendimentos em sua peregrinação e ouviu até de um funcionário da rede municipal de saúde que o Sistema Único do Saúde (SUS) não funciona em São Gonçalo.
“O SUS é conhecido no Brasil inteiro menos no PAM de Alcântara”, disse um dos atendentes ao recusar o atendimento porque o morador estava sem a carteira, que é feita através de um prontuário local. Outra pessoa também aparece na gravação e indica o paciente a procurar a Unidade de Saúde da Família (USF) do bairro Galo Branco. “Só lá que vai ter atendimento, com a equipe 33”, apontou uma atendente.

Em uma das tentativas de marcar a consulta, ele ouviu de uma atendente no PAM: “É bom o senhor chegar cedo, que após às oito horas da manhã a gente coloca todo mundo para dentro e fazemos as marcações. Hoje não teremos como atender e nem dar o encaminhamento. Volta na quinta-feira que vamos marcar o clínico para o senhor”.

A Prefeitura de São Gonçalo afirmou que vai visitar as unidades citadas e lamentou o ocorrido. “Tem PAM que tem 15 especialidades, por exemplo, Polo Sanitario também”, afirmou a assessoria de comunicação, em nota.

One thought on “Pacientes reclamam da falta de médicos em unidades de saúde de SG

  • 19 de dezembro de 2018 em 13:51
    Permalink

    RECLAMO POIS, APÓS A PACIENTE SER ATENDIDA NO HOSPITAL GERAL ALBERTO TORRES/SG PARA UM PROCEDIMENTO CIRÚRGICO DE EMERGÊNCIA PARA RETIRADA DE LÍQUIDO ACUMULADO NO PULMÃO IDENTIFICADO NO ATO CIRÚRGICO COMO SANGUE (FOI RETIRADO 1,5LT DE SANGUE DO PULMÃO), O MÉDICO RESPONSÁVEL DEU ENCAMINHAMENTO PARA A PACIENTE REALIZAR NO POSTO DE SAÚDE DO SEU BAIRRO, ATENDIMENTO COM CLÍNICO GERAL A FIM DE CONSEGUIR OUTRO ENCAMINHAMENTO PARA UM ONCOLOGISTA A FIM DE DAR INÍCIO A UM PROVÁVEL CÂNCER DE MAMA, TANTO POR CONTA DO ESTADO RÍGIDO DA MAMA, QUANTO PELO HISTÓRICO FAMILIAR DA PACIENTE.
    ACONTECE QUE APÓS ENTRAR EM CONTATO COM O POSTO DE SAÚDE DO BAIRRO FUI SURPREENDIDO PELA ATENDENTE QUE INFORMOU NÃO SER POSSÍVEL REALIZAR ATENDIMENTO COM CLÍNICO GERAL ATÉ ABRIL DE 2019 PELO MOTIVO DO MÉDICO ESTAR DE LICENÇA E POSTERIORMENTE FÉRIAS. QUESTIONEI QUANTO A POSSIBILIDADE DA PACIENTE SER ATENDIDA POR OUTRO MÉDICO OU ALGUMA OUTRA SOLUÇÃO PARA ELA TER ACESSO AO ENCAMINHAMENTO PARA O ONCOLOGISTA, E INFELIZMENTE FUI INFORMADO QUE ATÉ ABRIL/2019 NAO SERÁ POSSÍVEL REALIZAR ESSE ATENDIMENTO.
    EM FIM, O CÂNCER DA PACIENTE SE AGRAVARÁ ATÉ CONSEGUI ESSE ENCAMINHAMENTO? E COMO ESTARÁ ATÉ CONSEGUIR ESSE DIAGNÓSTICO?
    DESDE JÁ AGRADEÇO
    NO AGUARDO

    Registrei essa reclamação hoje no SUS após esse absurdo.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quinze − nove =