Os primeiros jovens brasileiros na Nasa

Anderson Carvalho

Os estudantes de Ensino Médio Rafaela Bastos, Larissa Perrone, Nathália Pires, Fellipe Franco, Yago Dutra e Alexandre Rodrigues, de colégios de Niterói e São Gonçalo, entraram para a história como os primeiros jovens brasileiros a participar de uma competição na agência espacial americana Nasa. Pela participação e a criatividade, ganharam dois troféus, além da experiência de ver de perto foguetes que já foram à Lua e conhecer estudantes de outros países que também participaram do evento.

Graças a uma espécie de quadriciclo, montado por eles durante três meses, utilizando pneus de bicicleta. Com ele, correram o NASA Human Exploration Rover Challenge pela categoria Ensino Médio, que ocorre todos os anos no U.S. Space Camp, Rocket Center, sede da agência espacial, em Huntsville, no estado do Alabama. O evento ocorreu nos dias 30, 31 de março e 1º de abril. Eles formaram a equipe Spacetroopers Brasil, criada em dezembro passado. O objetivo da Nasa foi encorajar os jovens a se interessarem pela pesquisa e o desenvolvimento de novas tecnologias para missões tripuladas ou não a outros planetas e estrelas.

O nome da equipe é uma referência aos soldados do império da série de filmes Star Wars. “Escolhemos esse, pois foi o mais bizarro que encontramos”, contou Rafaela. Os “Spacetroopers” participaram de duas corridas. Uma em um terreno de cerca de 800 metros, repleto de obstáculos, simulando um território extraterrestre, com vários buracos. Outra, a Sample Retrieval Challenge, em que eles tiveram que coletar amostras líquida e sólida, além de pedras enquanto dirigiam. Terminaram no geral em 27% lugar. “Tivemos problemas com o nosso carro. O pneu traseiro furou e a correia se soltou. Competidores de outros países nos ajudaram. Uma equipe até parou o que estava fazendo. No final, fomos premiados por usarmos a criatividade em meio a falta de recursos”, relatou Rafaela.

A equipe brasileira competiu com estudantes dos Estados Unidos, Porto Rico, Alemanha, México, Canadá, Rússia, Bolívia, Grécia, Itália, Índia, entre outros países. Para chegar lá, os jovens tiveram que superar obstáculos no Brasil. “A Larissa estava no Facebook procurando competições de conhecimento e tomou conhecimento da corrida na Nasa. Então, buscou informações sobre inscrição. Perguntamos porque o Brasil nunca participara do evento. Eles disseram que nunca havia tido interesse por parte dos brasileiros e resolvemos nos inscrever. Pagamos a taxa de cem dólares, com a ajuda do Colégio Santa Therezinha, de São Gonçalo. A construção do carro custou oitocentos dólares. Também com o apoio da escola. Para irmos para lá, porém, soubemos que precisávamos de quarenta mil reais”, relatou Rafaela.

Então, o grupo, com a ajuda da tia de Rafaela, começou a se mobilizar, arranjando panfletos para distribuir nas ruas de São Gonçalo e Niterói. Eles criaram ainda uma “vaquinha virtual” na internet. “Foi quando descobrimos que só para transportar o carro de avião precisávamos de trinta mil reais. A nossa sorte foi que um produtor de um programa de televisão viu um panfleto e nos convidou para participar de um quadro. Ganhamos a prova e recebemos trinta mil reais. O restante da quantia foi doada por empresários de São Gonçalo e na vaquinha”, lembrou Larissa. “Apesar de ser uma corrida, o evento foi marcado pela solidariedade entre as equipes”, recordou a estudante.

Com exceção de Yago, que cursa o 1º ano do Ensino Médio no Colégio Santa Therezinha, os demais concluíram o curso. Nathália e Fellipe, que estudaram no Colégio Pedro II, em Niterói, entraram para a Faculdade de Engenharia Química da UFF. Larissa estudou no Colégio Odete São Paio, em São Gonçalo e passou para a PUC. Rafaela vai passar dois meses estudando inglês nos Estados Unidos, pois pretende estudar Engenharia Espacial lá. Alexandre, ex-Odete São Paio, fará o curso preparatório para o ITA (Instituto de Tecnologia da Aeronáutica). Juntos, colecionam mais de 50 medalhas em competições de conhecimento. Em 2018, pretendem voltar à Nasa, na categoria Universitários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *