Orquestra Petrobras Sinfônica apresenta o primeiro concerto imersivo do país

A Orquestra Petrobras Sinfônica apresenta, na próxima sexta-feira (1) o primeiro concerto imersivo do país, uma experiência musical com direito a realidade aumentada, videomapping, live performance de tilt brush e até avatar do maestro Felipe Prazeres. No repertório, clássicos de Villa-Lobos ao pop de Michael Jackson, passando pelo fenômeno infantil Mundo Bita.

O projeto original da Orquestra Petrobras Sinfônica que será apresentado no palco do Qualistage, na Barra da Tijuca, às 21h30m sob a regência do maestro Felipe Prazeres – presente também em avatar. O concerto terá streaming 360º ao vivo e transmissão online no YouTube, assim tanto o público de casa como da plateia poderá ampliar ainda mais as interações sensoriais.

“Isso é muito a cara da Orquestra Petrobras Sinfônica. Gostamos muito do concerto dito tradicional, mas também gostamos de pensar fora dos padrões, da música que você ouve e vê. O concerto imersivo vem ao encontro da ideia de espetáculo, de um entretenimento mais amplo, mais imagético, quase palpável. Preparem-se, porque estamos trazendo algumas tecnologias bem surpreendentes”, adianta o violista Fernando Thebaldi, um dos diretores artísticos da Orquestra Petrobras Sinfônica.

A inovação tecnológica estará por toda parte, do início ao fim, com múltiplas intervenções assinadas pelo Studio XR. Para começar, a abertura do primeiro concerto imersivo do país acontecerá com o maestro Felipe Prazeres dando boas-vindas ao público na forma de um avatar, em uma animação de realidade aumentada, com efeitos de luz e projeção mapeada ao fundo. “A Orquestra Petrobras Sinfônica está sempre inovando e buscando novos públicos, com repertórios bastante ecléticos. Agora, queremos proporcionar algo ainda mais diferente, tendo sempre a música de concerto como protagonista. Queremos atrair esse público novo da música de concerto para cada vez mais desmistificar o que é uma orquestra sinfônica”, adianta o maestro Felipe Prazeres.

Em seguida, para cada música haverá uma imersão diferente. Projeções durante todo o concerto vão intensificar a imersão e experiência do público. Execuções mais graves ou agudas vindas dos instrumentos da orquestra poderão ativar ou controlar as animações, e algumas serão produzidas até como jogos, com botões de ação. “Criaremos um storytelling visual para algumas músicas, e intervenções visuais para outras. O público que assistirá pelo streaming terá a sensação holográfica de que os elementos são reais e estão lá. Já a plateia presente poderá contar com a exibição desse conteúdo em telões”, explica Flavio Mayerhofer, da Studio XR.

Outro destaque será a live performance da artista multimídia Vanessa Rosa, que usará óculos de realidade virtual e fará criações a partir dos controles que terá nas mãos. “A ideia é esculpir em 3D o que o público estiver ouvindo naquele momento. Irei desenhar personagens e cenários em tempo real. Vai ser um desafio muito lúdico e divertido. É novidade total”, diz Vanessa, que vem trabalhando com projetos que mesclam arte e experimentos tecnológicos na América do Sul e do Norte, Europa, África e Ásia.

“Tecnologicamente falando, existe uma velocidade de projetos e propostas que está andando muito rápido no mundo em que vivemos. E como a orquestra tem essa pegada arrojada de acompanhar novas tendências, sendo sempre multifacetada e dinâmica, estamos subindo nesse bonde de uma maneira muito entusiasmada, motivada e divertida”, conclui Thebaldi.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.