Orquestra de Cordas da Grota leva esperança a crianças em vulnerabilidade

A música é uma das principais formas de garantir o futuro de crianças em vulnerabilidade social. É com esta motivação que a Orquestra de Cordas da Grota segue firme com suas atividades, mesmo diante das dificuldades impostas pela pandemia do coronavírus. A décima reportagem da série de A TRIBUNA sobre instituições de apoio a crianças irá contar um pouco da história desse projeto tão importante para a cidade

O maestro Márcio Selles, coordenador do projeto, explica como o projeto passou pelos períodos mais difíceis, provocados pela Covid-19. Uma das medidas adotadas, de forma imediata, foi a mudança das atividades para a modalidade virtual. Contudo, devido às condições financeiras complexas de grande parte dos alunos, ocasionando dificuldade no acesso á internet, por exemplo, muitos largaram a orquestra. Selles lamenta o fato.

“Durante a pandemia começamos a fazer trabalhos apenas remotos, por WhatsApp, outros aplicativos. Continuamos com as aulas remotas, mas muitos alunos desistiram por não ter internet. Muitos alunos moram em áreas que não tem internet, é uma condição de vida muito precária. Mesmo assim continuamos. A partir de março começamos a retomar e agora estamos fazendo aulas com grupo de até cinco alunos por turma e ao ar livre”, contou.

Com a retomada gradual da maior parte das atividades comerciais e econômicas no país, com a orquestra não está sendo diferente. O marco para o retorno foi concerto realizado, no último final de semana, no Theatro Municipal de Niterói, para um público restrito. O maestro não conteve a emoção ao ver seus alunos novamenteonde eles mais gostam de estar: no palco. Até então, desde o início da pandemia, todas as apresentações eram feitas pela internet.

“O primeiro concerto presencial no Theatro Municipal foi muito legal, com público reduzido de cem pessoas no máximo, no último final de semana. Foi muito legal. Fizemos também muitas lives, vídeos gravados. A gente também tinha que dar retorno às pessoas que nos patrocinam. Foi um ano e meio parado. Foiemocionante, a plateia participando”, emocionou-se.

Trabalho em creches

Para o maestro, é importante levar a música à vida das crianças desde o início da vida. Para isso, a orquestra firmou parcerias com uma escola de educação infantil e uma igreja que ficam nas adjacências da comunidade da Grota, no bairro de São Francisco, Zona Sul da cidade. A ideia é ensinar os pequenos a se expressarem. Selles lembra que o trabalho ainda está em fase inicial, mas a expectativa é crescer.

“A gente está começando um trabalho experimental nas creches, UMEI Margareth Flores e na Igreja Betânia. As crianças da educação infantil foram as mais afetadas, por conta do pouco convívio. Muitas não conseguem se expressar. A gente está recomeçandoesse trabalho com a música, porque ela acolhe, é uma coisa muito legal. Uma linguagem não verbal em que você fala com o corpo e com as músicas”, explicou.

Legado de Paulo Gustavo

A Orquestra de Cordas da Grota também sentiu os impactos financeiros provocados pela pandemia. No entanto, o maestro afirma que dois fatores foram preponderantes para garantir o funcionamento do projeto: verbas advindas da Lei Rouanet, de incentivo à cultura, além do apoio de pessoas que acreditam na orquestra. Entre esses amigos, um deles se destaca: o ator Paulo Gustavo. Antes de ele nos deixar, em 4 de maio deste ano, vítima da Covid-19, ele havia feito uma colaboração para iniciativa,

“A gente, por sorte, tem um projeto aprovado na Lei Rouanet em que foi possível ter esse recurso, para os alunos receberem algum dinheiro também. Na pandemia tivemos apoio de muitas pessoas doando cestas básicas, pessoas físicas que nos ajudaram com quantias. Fizemos uma distribuição de cestas. Paulo Gustavo também nos ajudou muito, ele falou que queria ajudar e fez isso por várias instituições”, recordou o maestro.

Dos cerca de 250 alunos, que estavam matriculados antes da pandemia, restaram cerca de 120. Selles pontua que esse retorno também tem como objetivo atrair de volta aqueles que deixaram a orquestra. Quem quiser colaborar ou se tornar voluntário, basta entrar no site do Espaço Cultural da Grota (ecg.org.br) que lá estarão todas as instruções para quem quiser participar ou ajudar.

“A gente tem no site uma parte para doação. Se a pessoa quiser trabalhar como voluntário, temos várias frentes de trabalho. Não é só música, mas também na administração. Precisamos de pessoas. Sempre há uma utilidade. Tem também a possibilidade da pessoa ajudar com a lei de incentivo, em que a pessoa pode abater até 6% do imposto de renda fazendo a doação”, conclui o maestro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × 1 =