Operação militar nos Jogos custou R$ 705 milhões e mobilizou 43 mil homens

A operação montada pelas Forças Armadas para garantir a segurança e a tranquilidade dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos no Rio envolveu 43 mil homens, dos quais 23 mil somente no Rio de Janeiro, durante os três anos de preparação da logística de atuação e no período em que a cidade efetivamente sediou o evento. A informação foi prestada pelo ministro da Defesa, Raul Jungmann.

Em balanço feito na segunda-feira (19), no Comando Militar do Leste, Jungman falou sobre a atuação do Exército, da Marinha e da Aeronáutica no patrulhamento e na garantia da segurança do megaevento no estado do Rio e nas outras cinco capitais onde foram disputados jogos de futebol. Ele disse que, inicialmente restrita a determinadas áreas que demandavam mais segurança, a operação foi revista e ampliada em função da necessidade de aumentar o grau de segurança do evento, incluindo no cálculo os três meses em que as tropas efetivamente garantiram, em conjunto com as forças de segurança locais, o revezamento da tocha olímpica pelo país.

De acordo com o ministro, no Rio, além de atuar efetivamente nos locais onde foram realizadas competições olímpicas e paralímpicas, as Forças Armadas ampliaram sua área de atuação, passando a proteger as principais vias da cidade, como as Linhas Amarela e Vermelha, e vias das zonas oeste e sul, como a Transolímpica e o Aterro do Flamengo, além dos aeroportos e das estações ferroviárias.

Jungmann disse que o governo federal chega ao fim dos Jogos com a certeza do dever cumprido. “Estamos chegando com êxito ao fim de um ciclo de grandes eventos, que começou em 2007 com os Jogos Pan-Americanos e culminou com os Jogos Olímpicos, agora no Rio de Janeiro. Foram todos os eventos realizados a contento, com o Brasil e, em particular o Rio de Janeiro, mostrando ao mundo sua vocação e capacidade para sediar grandes eventos.”

Também estiveram sob proteção das Forças Armadas as principais áreas de competição, como a Arena de Vôlei, montada na Praia de Copacabana; o Parque de Deodoro; o Parque Olímpico; a Vila Olímpica; o Estádio Olímpico, que funcionou no Engenhão, e o Estádio de Remo da Lagoa, onde foram disputadas provas de remo, e a Marina da Glória, com a disputa da vela.

O balanço mostrou que as tropas federais fizeram mais de 1.200 patrulhas somente na capital fluminense. Destas, 6.457 foram patrulhas a pé, 4.539 motorizadas e 896 marítimas, além de 90 mecanizadas com o uso de blindados. “Os números envolvendo a segurança nos Jogos são todos gigantescos e demonstram a complexidade da operação. Foram realizadas 632 escoltas, muitas para proteger dignatários de 19 países que se fizeram representar na Rio 2016”, ressaltou Jungmann.

Todo o aparato de segurança exigiu a mobilização de 26 navios, 3.083 viaturas, 109 blindados, 51 helicópteros, 370 motocicletas, 81 embarcações de menor porte e 80 aeronaves. Os 43 mil homens das tropas federais consumiram 860 toneladas de alimentos, mais de 46 mil peças de vestuário, cerca de 875 mil litros de óleo diesel e 151 mil litros de gasolina.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *