Operação entre aeroportos do Rio pode injetar R$ 4,5 bilhões no PIB

É imprescindível que a concessão do Aeroporto Santos Dumont (SDU), a ser realizada em 2022, garanta coordenação com o Aeroporto Internacional Tom Jobim (Galeão – GIG). Essa foi a principal questão debatida no evento “Hub Econômico – Reconectando o Rio com o Brasil e o Mundo”, realizado pela Firjan. De acordo com a federação, a falta de coordenação pode reduzir voos para passageiros e para o transporte de cargas, aumentar custos, reduzindo a competitividade do estado do Rio e do país. A previsão é de que nos próximos dias seja aberta consulta pública sobre o processo de concessão.

Estudo realizado pela Firjan aponta que a coordenação entre o SDU e o GIG, além de garantir a competitividade, pode gerar incremento de R$ 4,5 bilhões por ano no PIB (Produto Interno Bruto) do estado do Rio.

Julio Talon, vice-presidente da Firjan e presidente da GE Celma, maior empresa de reparo de motores aeronáuticos da América Latina, localizada em Petrópolis e Três Rios, ilustrou como a falta de voos afeta a operação de empresas no Rio de Janeiro: “Oitenta por cento das nossas importações e exportações entram e saem de aeroportos de fora do estado”. A GE Celma é responsável por 50% das importações e 60% das exportações fluminenses.

Talon relatou que, em 2019, metade das peças importadas veio em “barriga” de avião de passageiro. Mas, hoje, com a diminuição desses voos, esse tráfego somou só 8% no Rio. Mais de 90% estão chegando em aviões cargueiros que pousam em São Paulo.

O estudo da Firjan ressalta que o fluxo total de passageiros no Santos Dumont e no Galeão é de, em média, 20,6 milhões por ano. Abaixo de 30 milhões, referências internacionais apontam a necessidade de coordenação operacional pelo poder público, o que não ocorre no Rio. A Firjan destaca que a falta de coordenação e o aumento de voos no Santos Dumont, a partir da concessão, podem fazer com que o Galeão perca voos domésticos, essenciais para a viabilidade de voos internacionais, já que são necessários, em média, seis voos domésticos para cada voo internacional.


O evento “Hub Econômico – Reconectando o Rio com o Brasil e o Mundo” faz parte da Websérie “O Rio tem Jeito”, que trata de assuntos do “Programa de retomada do crescimento do estado do Rio de Janeiro em bases competitivas”, elaborado pelo setor industrial. No documento, a Firjan reúne ações relacionadas a infraestrutura e mobilidade urbana, segurança pública, acesso ao crédito, competitividade regulatória e tributária.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três + 1 =