Operação da Polícia Civil tem PMs do 7º BPM entre os alvos

Vítor d’Avila

O 7º BPM (São Gonçalo) é um dos alvos da operação “Todos por Um”, deflagrada na manhã desta quinta-feira (17), pela Polícia Civil, com acompanhamento do GAECO, do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ). A investigação apura tentativa de homicídio contra o policial civil Bruno Rodrigo da Silva Rodrigues no dia 14 de abril, em Vila Valqueire.

Segundo o MPRJ, cinco policiais militares foram denunciados pelo crime, sendo quatro deles lotados no 7º BPM: Sergio Berbereia Basile, Mauro Simões de Castro, Joamilton Tomaz Ribeiro e Fagner Alves da Silva. O outro PM denunciado é Euclydes José do Prado Filho, lotado no Batalhão de Policiamento de Vias Especiais (BPVE). Além deles, o informante Sergio Leonardo dos Santos também foi alvo da denúncia. Todos tiveram mandados de prisão cumpridos contra eles.

Também foram cumpridos 40 mandados de busca e apreensão em endereços ligados aos seis denunciados e a outras nove pessoas, na capital, Nova Iguaçu, Belford Roxo, São Gonçalo, Niterói, Cachoeiras de Macacu, Araruama, Maricá, Saquarema e Itaboraí. Os alvos foram denunciados por homicídio, qualificado por motivo torpe, por meio de emboscada e contra policial civil, que prevê pena de 12 a 30 anos de reclusão e, ainda, por crime de associação armada e crime de adulteração de sinal identificador de veículo automotor.

Investigação

De acordo com o que foi apurado pelo MPRJ e Polícia Civil, na tarde do dia 14 de abril, em frente à residência da vítima, Sergio Basile e Mauro, também responsáveis pelo planejamento e operacionalização do crime, efetuaram diversos disparos de arma de fogo contra policial Civil Bruno, que sobreviveu ao ataque após conseguir se abrigar e reagir, segundo descreve o documento enviado à Justiça.

Para o órgão, a motivação do crime foi em represália à atuação investigativa do policial civil envolvendo condutas de policiais militares na área da 39ª DP (Pavuna), em especial na Feira da Pavuna e sobre o comércio de cigarros.

A denúncia também afirma que “Joamilton concorreu para o crime na condição de motorista de um dos veículos utilizados no crime, no qual estavam os atiradores, fazendo vigilância do local e garantindo a fuga de todos. Da mesma forma, Sergio Leonardo e Euclydes monitoraram e vigiaram a vítima no dia da tentativa de homicídio, acompanhando-a, desde a saída do seu local de trabalho (39ª DP) até a sua residência. Já Fagner forneceu aos demais denunciados o outro veículo utilizado na emboscada, que tinha placa adulterada.”

Por meio de nota, a Polícia Militar afirmou que a Corregedoria da corporação atua em conjunto com a Polícia Civil na ação que culminou na prisão de cinco policiais militares, cumprindo determinação do Ministério Público. As armas dos policiais foram recolhidas, assim como outros pertences.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito − quinze =