Ondas gigantes: começa o Itacoatiara Big Wave em Niterói

Foi dada a largada para o período de ondas gigantes na Praia de Itacoatiara, Região Oceânica de Niterói. Nesta quarta-feira (1º) foi aberta a janela de competições para o Itacoatiara Big Wave de 2022. Nos próximos três meses, cerca de 50 surfistas de todo o Brasil ficarão em alerta para encarar as ondulações, que estão entre as maiores do Brasil.

A janela do evento, que ficará aberta até 31 de agosto, é o monitoramento das condições meteorológicas diárias das ondas, que determina o início da competição. Nesta quarta, os atletas ainda não foram ás águas. Alexey Wanick, Presidente da Associação de Surf de Ondas Grandes de Niterói, explicou de que maneira funciona o sistema de alertas.

“A gente sabe com cinco dias de antecedência quando a ondulação pode vir e emite o sinal amarelo. Quando, em até 48 horas antes, a previsão se confirma, a gente emite o sinal verde. Emitimos os sinais pelo Instagram oficial do campeonato (@itacoatiarabigwave). É assim que funciona em Nazaré e no Havaí. A gente se prepara para quando a previsão indicar e estar lá no dia certo”, disse.

Alexey destacou a condição natural diferenciada de Itacoatiara. No mesmo local há a praia , a Laje do Shock e, do outro lado, a Ilha Mãe, lugares onde ondas grandes são comuns. O presidente da associação destacou a expectativa para que haja uma nova quebra de recorde de onda mais alta a ser surfada no Brasil e quer que Niterói se torne referência em ondas grandes, atraindo parte do movimento de turistas que costumam visitar o Rio de Janeiro.

Fotos: Tony D’Andrea e Matheus Couto/Itacoatiara Big Wave

“Aquela onda a gente vai demorar um pouquinho, mas são essas que a gente quer. A janela é posicionada bem no centro do inverno, quando há as maiores ondulações. É nossa expectativa, mas a gente depende da natureza e que os atletas consigam. A gente sabe que tem essa condição natural, de ter uma praia que recebe essas ondas e ajudar a construir essa referência para Niterói”, completou.

Como funciona o evento

O período “janela” (entre junho e agosto) é definido pela análise diária da organização, caso as condições meteorológicas sejam favoráveis com o aparecimento das ondas consideradas grandes, acontecem até quatro chamadas para as sessões de surf válidas para o campeonato. Essa será a primeira vez no país que um evento como este terá como modalidades a remada e tow in (surf rebocado por jet ski). A premiação total será de 100 mil reais.

A competição também premiará os cinegrafistas e pilotos de jet ski que rebocarem os surfistas. Segundo a organização serão reunidos cerca de 50 profissionais. Nos dias das sessões válidas para a competição cinegrafistas registrarão as performances dos surfistas e as ondas surfadas serão julgadas por uma comissão de arbitragem profissional, a partir de critérios adotados pela Liga Mundial para o surf de ondas grandes. Aqueles atletas que obtiverem o maior somatório nas suas duas melhores ondas serão os vencedores.

Ações sociais e ambientais

Além da competição, o evento terá diversas ações sociais e ambientais. Haverá o plantio de 100 mudas de árvores para executar a compensação de lançamento de dióxido de carbono no ambiente; a limpeza da restinga de Itacoatiara, educação voltada para o mar, conscientização sobre cuidados com a pele, distribuição de produtos, além de atividades recreativas na Praia de Itaipu, com participação de surfistas competidores dando noções básicas do esporte.

Economia local

O evento movimentará toda a cadeia produtiva da cidade, seu setor audiovisual, de fotografias, de vídeos e redes sociais, além da rede hoteleira e gastronômica local, principalmente na Região Oceânica, mais precisamente nos bairros de Itaipu e Itacoatiara. Para Paulo Novaes, presidente da Neltur (Niterói Empresa de Lazer e Turismo), apoiadora do evento, a cidade é vocacionada para os esportes realizados no mar

“Niterói tem vocação para se realizar esportes náuticos, como o bodyboard, o surf e a vela e, a praia de Itacoatiara, com suas ondas grandes é apropriada para eventos como este que impactam diretamente o turismo da cidade movimentando sua cadeia econômica, envolvendo assim seus polos hoteleiros, gastronômicos e de moda”, destacou Novaes.

Segurança e organização

Nos dias do evento, haverá uma UTI Móvel de plantão e a segurança aquática acontecerá com apoio de dois jet-skis especialmente voltados para essa função. No entorno da Praia de Itacoatiara a NitTrans – Companhia de Trânsito de Niterói estará dando apoio realizando intervenções necessárias para a fluidez do trânsito.

Marco histórico

Em 19 de maio, as águas de Itacoatiara podem ter testemunhado um feito histórico. O surfista Gabriel Sampaio pode ter conseguido surfar uma onda de aproximadamente 7 metros de altura. A marca ainda passará por homologação, podendo ter o recorde oficializado.

PREMIAÇÕES

Surfistas:

1º lugar – 20 mil reais

2º lugar – 10 mil reais

3º lugar – 5 mil reais

Cinegrafistas:

1º lugar – 5 mil reais

2º lugar – 3 mil reais

3º lugar – 2 mil reais

Pilotos:

1º lugar – 5 mil reais

2º lugar – 3 mil reais

3º lugar – 2 mil reais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.