Obras para contenção de encostas do Morro da Boa Esperança perto de saírem do papel

A comunidade do Boa Esperança vai dar mais um passo importante para a recuperação da encosta que deslizou em dezembro de 2018, matando 15 pessoas e deixando 22 famílias desalojadas. A Empresa Municipal de Moradia Urbanização e Saneamento (Emusa) informou que, para este mês, estão previstas as licitações que levarão obras a comunidade, além da Viradouro e União, em Santa Rosa, onde estão previstas intervenções em 10 pontos distintos. A Associação dos Moradores do Morro do Boa Esperança comemorou o avanço e informou que obras de recuperação de cinco vielas na comunidade já estão acontecendo.

O gesseiro William Barbosa, 40 anos, foi uma das pessoas que perdeu parentes, como a mãe Dalvina Martins, além da casa no deslizamento da rocha no Boa Esperança. “Tudo que aconteceu foi muito horrível mas estamos nos recuperando. Estou recebendo o aluguem social e vou receber um apartamento no Badu. Essa obra é muito importante para a comunidade”, contou.

A presidente da Associação dos Moradores, Cremilda Santos, disse que a comunidade já está sendo reparada desde a tragédia. “A Prefeitura de Niterói tem ajudado muito a nossa comunidade e essa obra que vai ser feita vai finalizar esse assunto que tanto marcou os moradores”, frisou.

Cremilda ainda contou que foi informada de que as obras de drenagem já estão previstas para serem iniciadas na terceira semana de fevereiro, além da construção de um muro de contenção. “Todas as famílias que tiveram casas demolidas estão sendo amparadas e tudo está sendo feito de uma forma boa para não termos mais problemas”, completou.

No dia 10 de novembro de 2018 o deslizamento de uma rocha matou 15 pessoas e deixou 22 famílias desalojadas após o desmoronamento no Morro da Boa Esperança, em Piratininga na Região Oceânica. A Prefeitura de Niterói se comprometeu a pagar, por um ano, o aluguel social de R$ 1.002,00, mediante a desocupação dos imóveis interditados.

A Emusa informou que além do Morro da Boa Esperança, Viradouro e União, em Santa Rosa, outras localidades aguardam a finalização do certame e as intervenções estão previstas para iniciarem no primeiro semestre: Santa Bárbara, com três novos pontos; Morro dos Marítimos e Travessa Arantes, no Barreto; Morro do Santo Cristo e Rua Bonfim, no Fonseca; além da Rua Albino Pereira, em São Francisco. Para janeiro também estão previstas a finalização de outras obras como o calçadão de Jurujuba, que incluiu as cortinas atirantadas à beira mar, além das contenções da Rua Leonel Brizola, no Morro do Palácio, e na Rua Jerônimo Afonso, no Caramujo.

A Prefeitura de Niterói informou ainda que em 2019, 54 pontos hierarquizados pelo Plano de Gerenciamento e Prevenção de Riscos receberam obras. Estão concluídas as da Rua Getúlio Vargas, no Ingá; três intervenções na Rua Padre Anchieta, no Morro do Estado; as contenções da Travessa 22 de Maio, no Buraco do Boi; além da Ladeira Major Rocha e Travessa Francisco Soares Pacheco, no Morro da Penha, Ponta D’Areia. Em Santa Rosa, foram finalizadas obras na Travessa Beltrão e na Rua José Vergueiro, no Vital Brazil. Outros pontos estão em fase final de execução. Além deste pacote de intervenções, outras 30 encostas da cidade receberam obras em 2019, como a Rua Jornalista Moacir Padilha, no Centro, com extensão de 2.800 metros quadrados. Também foram finalizadas as obras nas ruas João Teodoro da Silva, no Cantagalo, Custódio Esteves, em Santa Bárbara e Jonathas Botelho, no Cubango. Juntas, as urbanizações das comunidades de São José, e Igrejinha, ambas no Caramujo, entregaram 15 novos pontos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × 1 =