Obras de alargamento da Marquês do Paraná serão concluídas em dezembro

Anderson Carvalho –

Depois de mais nove meses, as demolições dos prédios na Avenida Marquês do Paraná, no Centro de Niterói, foram finalmente concluídas. Estas ocorreram no trecho entre as ruas Doutor Celestino, no Centro, e a Miguel de Frias, em Icaraí. Os terrenos foram limpos pela Prefeitura de Niterói. A Secretaria Municipal de Obras informou ontem que a previsão para a conclusão do alargamento da via é em dezembro deste ano. O objetivo é melhorar o fluxo de trânsito entre o Centro e Icaraí.

Em breve, a Prefeitura fará licitação para a obra do alargamento. Foram demolidos os fundos do prédio 294, que tinha 17 apartamentos e lojas, e os prédios de números 226 e 298. A obra está atrasada. A previsão inicial era que as demolições fossem concluídas em julho. Segundo a prefeitura, o alargamento da Avenida Marquês do Paraná resolverá o gargalo formado no fim da Rua Doutor Celestino por causa do Mergulhão Ângela Fernandes. Em outubro passado, a empresa PCE Projetos e Consultorias de Engenharia Ltda venceu a licitação para fazer projeto executivo das mudanças da via. O planejamento foi orçado em R$ 285 mil.

No sentido Icaraí, a via ganhará mais duas faixas de rolamento, totalizando cinco pistas, e uma ciclovia. O projeto também inclui a reurbanização até a Avenida Ernani do Amaral Peixoto, com calçadas dentro das normas de acessibilidade e uma nova praça sobre o mergulhão. A obra será a primeira realizada com recursos obtidos através do modelo de outorga onerosa, que financiará ações do processo de requalificação do centro. Serão utilizados R$ 11,8 milhões, dos R$ 14 milhões já pagos por investidores que tiveram seus projetos aprovados para a região central da cidade.
Em 1º de junho do ano passado, a 20ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro autorizou a realização das obras de alargamento da via. A intervenção tinha sido embargada a pedido do Ministério Público Estadual (MPRJ), mas a Procuradoria-Geral do Município recorreu e conseguiu a suspensão da liminar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *