Obras da Transoceânica têm novo prazo de entrega

Pedro Conforte –

Paralisadas desde do mês passado, as obras das estações do Bus High Service (BHS) da Transoceânica serão retomadas, segundo o que foi publicado na edição de ontem no Diário Oficial de Niterói. Entre diversos atrasos e prazos, a previsão de entrega agora é cravada para 27 de maio, sendo que a última previsão dizia que dezembro de 2018 as obras já estariam concluídas. As empresas Pimentel & Ventura e Metalco foram as escolhidas para concluir as obras das 11 estações de embarque e desembarque do sistema de transporte público. Segundo previsão, 125 mil pessoas usarão as estações diariamente entre a Região Oceânica e a Zona Sul de Niterói.

As primeiras intervenções foram em 2015 e o prazo para entrega do projeto seria de dois anos, em 2017, porém a partir daí, começaram a prolongar as entregas. São ao todo 13 estações BHS Transoceânica, porém apenas as do Engenho do Mato e Charitas estão concluídas. Em um primeiro momento, o Governo Municipal informou que a instalação das 11 estações do BHS começaria em setembro do ano passado e que a partir de novembro, o sistema começaria a funcionar de maneira gradual, mas o prazo foi adiado. O corredor liga a Região Oceânica a Zona Sul da cidade, passando pelo túnel Charitas-Cafubá. Ao todo, são 9,3 quilômetros de extensão que ligam as 13 estações.

Em fevereiro, quando houve a ordem de paralisação das obras, funcionários contaram que as obras nas plataformas estavam em fase de acabamento. Faltam instalações de vidros e fiação elétrica, polimento do granito colocado no chão, cortes de vergalhões nas laterais do meio-fio, acabamento dos canos que vão conduzir os fios, entre outros detalhes.

Alguns ônibus que foram comprados para circular no corredor da Transoceânica e já estão em Niterói e já operam em algumas linhas. Porém, aguardam as obras serem concluídas para começar a trafegar no corredor expresso. A nova frota que vai passar pela Transoceânica terá 100 ônibus, sendo 40 elétricos, e percorrerá cinco itinerários: duas linhas vão usar o túnel Charitas-Cafubá (Piratininga-Centro e Itaipu-Centro) e três vão usar a rota do Largo da Batalha com o mesmo destino.

Em janeiro de 2018 o Tribunal de Contas do Estado (TCE-RJ) identificou, através de auditoria, um superfaturamento de R$ 11.598.376,03 nas obras da Transoceânica. Além disso, o Corpo Instrutivo apurou um sobrepreço de R$ 10.987.930,30 no edital e de R$ 4.642.373,25 em um termo aditivo. Na época diversas pessoas foram chamadas para esclarecimento, como funcionários da Emusa e Consórcio Constran-Carioca-Transoceânica para que apresentassem defesa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *