O conselho do niteroiense que venceu o coronavírus: “Fiquem em casa!”

Amanhã completa uma semana que o empresário niteroiense Eduardo Marins de Mendonça, 48 anos, recebeu alta clínica do Hospital Icaraí, no Centro, após 14 dias internado com o novo coronavírus. Morador de Camboinhas, na Região Oceânica, ele contou os momentos de apreensão que passou antes do diagnóstico da doença e também como está sua rotina durante o isolamento social que está fazendo. Eduardo foi contaminado sem estar em nenhum grupo de risco e orienta para as pessoas ficarem em casa.

Eduardo contou os dias que antecederam a internação perdeu o apetite, desenvolveu uma tosse e ficou muito cansado.

“Fiquei uns três dias assim. Passou na cabeça de ir para o hospital, mas também fiquei com medo de me contaminar. Eu fiz um cruzeiro pela Amazônia no período entre os dias 9 e 13 de março e logo quando voltei de lá tive sintomas de gripe”, frisou.

Ele resolveu ir ao hospital no dia 27 de março e após uma tomografia o pulmão apresentou comprometimento e já foi internado na UTI do hospital. “Fui entubado e somente no dia 8 de abril tive alta para o quarto, no dia seguinte tendo alta total, porém, com vírus ativo ainda no organismo”, pontuou.

Os dias que antecederam a alta foram de muita emoção para o empresário e aos poucos ele foi entendendo a gravidade da doença que contraiu e a situação mundial. “Muita emoção de agradecer o carinho da equipe que cuidou de mim e de ver minha família. Eu não tinha muita noção do que estava acontecendo. Eu queria saber de tudo e minha esposa foi me contando aos poucos. Fui perguntando o que eu lembrava e sabendo o que estava acontecendo. Recebi muitas ligações de apoio e uma corrente de oração foi montada para pedir por mim”, contou.

A bancária Rosemere Gonçalves de Mendonça, 44 anos, também lembrou dos momentos de angústia que passou longe do marido, sem comunicação com ele e sozinha em casa.

“Foram momentos difíceis, mas de muita fé. Não perdi a fé nenhum minuto. Meu deu muito medo e eu parei de ver televisão no dia que ele foi internado”, lembrou.

Eduardo ainda faz fisioterapia para conseguir andar melhor, já que ficou muitos dias deitado, e ainda sente algumas sequelas da Covid-19.

“A minha voz está mais fraca e tenho um pouco de cansaço se falar muito. A complexidade da situação é grande. Isolamento sem dúvida é importante. Eu acho que demorei muito para ir no hospital e não desejo isso para ninguém. Só recomendo para as pessoas ficarem em casa”, orientou.

Em nota, o Hospital Icaraí informou que foram realizados exames de laboratório e imagem no paciente, sendo evidenciadas – pela tomografia computadorizada de tórax – imagens sugestivas de pneumonia por Covid-19, hipótese confirmada pela detecção do vírus através do método de Reação em Cadeia da Polimerase (PCR).Foi instituída assistência ventilatória ao paciente, onde houve necessidade do uso de respirador artificial por sete dias, assim como tratamento farmacológico recomendado pelo protocolo clínico da instituição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

oito + nove =