Números do ISP mostram queda da violência na Região dos Lagos

Os mais recentes índices de criminalidade divulgados no último dia 17 pelo Instituto de Segurança Pública (ISP) referentes ao mês de julho registraram como destaques queda na incidência de homicídios dolosos (com intenção de matar) e o aumento de ocorrências dos crimes de estelionatos em todo o estado. No primeiro caso, a redução foi da ordem de 19% na série histórica iniciada em 1991. Porém, na comparação entre os meses de julho de 2019 e 2020, os registros de estelionatos aumentaram 67%, o maior da série histórica. Com a flexibilização das medidas de isolamento social, a expectativa é que os índices se mantenham de uma forma geral em queda.


Nos sete municípios da Região dos Lagos – Araruama, Armação de Búzios, Arraial do Cabo, Cabo Frio, Iguaba Grande, São Pedro da Aldeia e Saquarema – o panorama representou um reflexo dos indicativos do estado, nas delegacias da região: 124ª DP (Saquarema), 125ª DP (São Pedro da Aldeia), 126ª DP (Cabo Frio), 127ª DP (Armação de Búzios),128ª DP (Araruama), 129ª DP (Iguaba Grande) e 132ª DP (Arraial do Cabo), e no 25º BPM (Cabo Frio). Os crimes de estelionato cresceram 86,9% nesses municípios, com 200 casos registrados em julho desse ano, contra 107, em 2019 (93 queixas a mais). É a maior alta do ano. De janeiro a julho de 2020, as DPs da região tiveram 922 boletins de ocorrência desse tipo esse ano, contra 731 no mesmo período do ano passado, ou seja, nesse caso aumento de 26,1%.


O número de casos de homicídios dolosos registrados nas sete cidades, em julho desse ano foi de 14, representando redução de quatro ocorrências em relação ao mesmo período do ano passado (18). Apesar do desse indicativo de queda, na comparação entre as totalizações de janeiro a julho (2019/2020) a Região dos Lagos ainda apresenta alta nessa modalidade de crime, ou seja, 9 ocorrências a mais (ou 6,5%), com 138 casos em
2019 e 147 esse ano. Vale ressaltar que no mês de junho de 2020 foram registrados 9 homicídios e no mês seguinte (julho), o número aumentou para 14. A maior alta da série histórica do ISP para a Região dos Lagos foi 37 ocorrências, em março desse ano.
Ainda referente aos chamados crimes de letalidade violenta, os municípios da Região dos Lagos, computaram apenas 1 ocorrência de latrocínio (roubo seguido de morte), entre os meses de janeiro e julho de 2019, período que encerrou com 4 casos. Esse ano as sete cidades ainda não registraram casos dessa modalidade de crime, segundo o ISP.


Os confrontos entre policiais e criminosos, denominadas ocorrências “mortes por intervenção de agente do Estado, aumentaram em 2020 na região, entre janeiro e julho, com 36 casos, 5 a mais do que em 2019 (31). Na comparação de julho/julho (2019/2020) ficou respectivamente 9 e 1. A maior alta da série histórica (desde 2003) nesse caso, foram 15 registros de enfrentamento com morte, em fevereiro desse ano.


Roubos de carga e de pedestrestambém representam retração


Os registros de roubos de carga, segundo os números da Segurança Pública permanecem numa tendência de queda nos municípios da Região dos Lagos, com 4 ocorrências em julho desse ano, 3 a menos do que em julho de 2019 (7). De janeiro a julho de 2020 a tendência de queda também está consolidada e se repete reduzindo de 30 em 2019 para 19 em 2020, ou seja, menos 11 ocorrências. Porém, vale ressaltar que esse ano, o mês de maio foi marcado por não ter sido registrada nenhuma ocorrência de roubos de carga nas delegacias da região, e nos meses seguintes, junho (4), e julho (4). Outra queda significativa foi a de incidência de roubos de veículos, com 9 registros em julho de 2020 e 23 em julho do ano passado (queda de 14 Boletins de Ocorrências), decréscimo confirmado de janeiro a julho de 2020 (140) na comparação do mesmo período de 2019 (235), redução de 75 queixas ou 34,9%.


Outras importantes sinalizações de melhor qualidade na Segurança Pública e redução de incidência de registros de casos se referem ao roubo a transeunte, com redução de 111 Boletins de Ocorrência, em julho de 2019, para 39 esse ano, variação de 72 casos. De janeiro a julho de 2019 foram 834 ocorrências contra 399 em 2020, variação de menos 435 ocorrências ou queda de 52,2%. A maior alta registrada esse ano foi de 103 registros no mês de fevereiro, e no ano de 2019, o ano totalizou na Região dos Lagos a maior alta da série histórica, desde 2003, para essa modalidade de crime, com 1.311 “BOs”. O cidadão também se sentiu mais aliviado, com a redução nos índices de roubos de celulares, com 21 registros em julho de 2020, contra 50 no ano passado (menos 29 casos). De janeiro a julho a redução foi de menos 105 queixas (ou -34,2%), caindo de 307 para 202, respectivamente de 2019 para 2020. A maior alta desse tipo de crime esse ano foi no mês de janeiro, com 52 registros, só superada negativamente na série histórica, por 57 casos registrados em junho de 2019.


Na modalidade roubo de coletivos, a Região dos Lagos registrou 3 casos nomes passado contra 1, em junho de 2019. Na comparação de janeiro a julho, em 2019 foram feitos 29 registros contra 22 esse ano, queda de 7 casos. A maior alta do ano foi 9 registros, no mês de janeiro. Na série histórica, a Região dos Lagos já chegou a registrar 26 casos, em
outubro de 2004.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito + 7 =