Números da violência crescem na Região Metropolitana

Pedro Conforte –

Um dia depois do Exército ocupar diversos pontos de São Gonçalo, em mais uma operação da intervenção federal, os dados do Instituto de Segurança Pública (ISP) mostram que os roubos de carga nesta e em outras cidades da Região Metropolitana vem crescendo. Enquanto os dados mostram que o roubo de carga diminuiu no Estado, a realidade de São Gonçalo, Itaboraí e Niterói segue na contramão, com aumentos que superam os 70% na comparação entre junho deste ano com o de 2017. O maior índice ficou com Itaboraí, que teve um crescimento de 550% no número de cargas roubadas.

Em todo o Rio de Janeiro, em junho de 2018 foram registrados 775 casos de roubo de carga, uma queda de 23% se comparados ao mesmo período do ano passado (982). Esta modalidade de crime é uma das mais combatidas pelas forças de segurança desde o início da Intervenção Federal, que concentrou bloqueios em diversas rodovias.

Porém, nas cidades da região as ações foram pontuais e os números mostram que não houve queda se analisarmos cidade a cidade. Os roubos de carga em Niterói, São Gonçalo, Maricá e Itaboraí representam 31% das ocorrências registradas em todo o Estado. A mesma região, no entanto, concentra apenas 11% de toda a população dos 92 municípios do Rio de Janeiro.

Itaboraí registrou 65 casos de roubo de carga, frente aos 10 em junho do ano passado, um aumento de 550%. São Gonçalo foi a cidade que teve o maior número de cargas levadas em junho, 146 ocorrências, enquanto em 2017 foram 82 (um aumento de 78%). Maricá não teve nenhuma ocorrência deste crime em junho do ano passado, mas este ano foram dois casos. Por fim, Niterói teve um salto de 8 para 22 (um crescimento de 175%).

Os dados do ISP foram divulgados no mesmo dia que a Polícia Federal deflagrou uma operação para desarticular uma organização criminosa envolvida em crimes de furto e receptação de cargas e caminhões em diversos estados do nordeste e sudeste. Os mandados foram cumpridos nos estados de Alagoas, São Paulo, Rio, Bahia, Ceará e Pernambuco. Estima-se que a organização tenha causado um prejuízo superior a R$ 8,6 milhões apenas em relação à subtração de cargas e caminhões. Até o fechamento desta edição, 13 pessoas haviam sido presas.

Assaltos em coletivos – Nas mesmas quatro cidades, apenas Maricá não registrou aumento nos casos de roubos (mantendo-se os 3 de junho do ano passado) em coletivos, mas vale destacar que muitos ônibus que têm como destino o município foram assaltados antes de chegar ao destino, com os registros das ocorrências realizados em delegacias de Niterói e São Gonçalo.

Em Niterói, o número de casos subiu de 18 para 26, aumento de 44%. Em São Gonçalo houve uma variação de 64% (passando de 85 em 2017 para 140 registros este ano). O maior aumento ficou novamente a cargo de Itaboraí, que teve um crescimento de 180% nos casos de roubos em coletivos, pulando de 15 para 42 registros.

Mortes em elevação – De acordo com ISP, os casos de letalidade violenta (somatório de homicídio doloso, latrocínio, lesão corporal seguida de morte e homicídio decorrente de oposição à intervenção policial) tiveram um crescimento de quase 8% em todo o Estado, na mesma comparação de junho, mas este valor é ainda maior nas cidades da região. Maricá não havia registrado nenhum caso em junho de 2017, enquanto no mesmo mês deste ano foram sete mortes.

O segundo maior aumento (entre as quatro cidades) foi Itaboraí, que teve 20 casos frente aos 6 de junho do ano passado, um crescimento de 233%. Niterói e São Gonçalo ficaram em média nos crescimento de 22% nas ocorrências de letalidade violenta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × cinco =