Número de tiroteios diminui durante o período de quarentena

Nos dois meses até agora de quarentena, de acordo a plataforma Fogo Cruzado, o Rio registrou 992 tiroteios/disparos de arma de fogo na Região Metropolitana. O levantamento foi feito entre os dias 14 de março a 13 de maio (até a última quarta-feira), quando foi decretada no Rio a restrição de serviços não essenciais e circulação de pessoas para conter a contaminação pelo novo coronavírus.

Em comparação com o mesmo período de 2019, em que foram registrados 1.454 tiroteios, houve uma queda de 32%. Durante esses tiroteios, 345 pessoas foram baleadas (158 mortas e 187 feridas), 28% a menos do que os baleados no ano passado, 479 (234 mortos e 245 feridos).

Do total de tiroteios mapeados durante a quarentena (992), em 285 (29%) deles houve presença de agentes de segurança, praticamente o mesmo índice registrado no ano passado: em 395 (27%) dos 1.454 tiroteios havia agentes na cena. 

Dentre os baleados, houve 25 agentes de segurança, 9 mulheres, 3 crianças (com idade inferior a 12 anos), 7 adolescentes (com idade entre 12 anos e 18 anos incompletos) e 12 pessoas foram vítimas de balas perdidas. Houve ainda 4 pessoas baleadas dentro de casa e 8 casos com 3 ou mais civis mortos a tiros em uma mesma situação: no total, 28 civis foram mortos.

Em comparação com o período pré-quarentena, a média de tiroteios por dia no Grande Rio aumentou nos 2 meses de isolamento social. Com uma média de 16 tiroteios por dia, a quarentena (14 de março a 13 de maio) totalizou 992 tiroteios. Já o período pré-quarentena (1 de janeiro a 13 de março) totalizou 1.024 tiroteios e teve média de 14 tiroteios por dia. 

Nos tiroteios com presença de agentes de segurança, houve estabilidade em relação à média do período pré-quarentena: foram 285 tiroteios na quarentena (média diária de 5) contra 363 no pré (média diária também de 5). A média de mortos e feridos apresentou queda na comparação dos períodos: foram 256 mortos antes da quarentena (média de 4 mortos por dia) e 158 mortos durante a quarentena (média de 3 por dia) representando queda de 25%. O número de feridos antes da quarentena foi de 265 (média diária de 4), para 187 (média diária de 3), uma queda de 25%.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis − 12 =