Número de fuzis apreendidos no ano passado fechou em 371

De acordo com levantamento do Instituto de Segurança Pública (ISP), o ano de 2016 fechou com a polícia apreendendo 371 fuzis no estado, ou seja uma espécie de “arsenal”, que superou o número de armas desse tipo, apreendidas em 2007 (214). No dia 7 de dezembro do ano passado, durante uma operação do Batalhão de Operações Especiais (Bope) na Comunidade do Barbante, no bairro da Ilha do Governador, os militares apreenderam o fuzil “número 300”.

Na ocasião, os batalhões que fizeram as maiores apreensões de fuzis no estado foram o 41º BPM/Irajá (49), Bope (43) e 9º BPM/Rocha Miranda (23). Entre os principais modelos apreendidos estão o AR-15 (103), AK-47 (83) e FAL 7.62 (48). Nos nove primeiros meses do ano, as policias Civil e militar de Niterói, de acordo com dados do Instituto de Segurança Pública (ISP), registraram pelo menos 300 ocorrências de apreensões de armas (de vários modelos) nas delegacias da chamada Grande Niterói, que se estende até Maricá. Os dois batalhões retiraram do tráfico 23 fuzis. O Batalhão de São Gonçalo ficou entre os 10 melhores, com 15 armas apreendidas.

No dia 22 de dezembro, o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, anunciou que as armas de fogo apreendidas com criminosos poderão ser doadas a órgãos de segurança pública. O decreto que trata da questão foi publicado no Diário Oficial da União. Os policiais poderão utilizar fuzis e metralhadoras retirados do crime, que antes eram destruídos. De acordo com o Decreto 8.938, “as armas apreendidas serão encaminhadas pelo juiz competente ao Comando do Exército, no prazo máximo de 48 horas, para destruição ou doação aos órgãos de segurança pública ou às Forças Armadas”. Segundo o ministro, o decreto passa a autorizar que as polícias possam utilizar fuzis, metralhadoras e armamentos que apreendem, desde que peçam autorização. “Esse armamento vai ser cadastrado e o armamento deve estar em boa utilização. Isso é importantíssimo”, disse o ministro, que acredita que a medida trará economia aos cofres públicos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois − um =