No segundo dia de provas do Enem, estudantes criticam realização do exame

Sem aulas presenciais em 2020, estudantes relatam que se sentiram prejudicados no segundo dia de prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Neste domingo (24), os participantes fizeram as provas de matemática e de ciências da natureza. Com isso, encerrou-se a aplicação da versão impressa do Enem, que começou no último domingo (17), com as provas de linguagens, ciências humanas e redação. Os gabaritos serão divulgados na quarta-feira (27).

“O Enem não é difícil, é uma prova fácil, mas, se não tem acesso à educação básica, qualquer prova que vá fazer vai achar difícil”, diz a estudante Suelem Carvalho, 22 anos. Moradora da Maré, o maior complexo de favelas do Rio de Janeiro, ela relata que teve problemas com a conexão da internet e não conseguiu acompanhar as aulas online. “Temos problemas de sinal da Maré e o pacote de internet não sustentava as aulas online. Ficamos muito despreparados”.

A estudante, que pretende cursar biologia, diz que só compareceu ao exame para não perder a isenção da inscrição. Os participantes isentos de pagar a inscrição do Enem perdem a isenção na aplicação seguinte caso não justifiquem a falta. O valor cobrado é de R$ 85.

Além de se sentir despreparada, o fato de fazer o exame em meio a pandemia também deixou Suelem ansiosa. “Fazendo a prova, você toca na mesa, não sabe se a limparam, toca no olho, tira a máscara para comer. Isso já pode fazer com que pegue o vírus. E, se você mesma está assintomática, pode passar para alguém”, diz.

O estudante Samuel Serra da Silva, 19 anos, também se sentiu prejudicado. Ele conta que faltou um espaço adequado em casa para estudar e que não conseguiu se adaptar ao ensino a distância. Ele pretende cursar novamente o 3º ano do ensino médio este ano, possibilidade oferecida na escola pública onde estuda no Rio de Janeiro. Ele pretende cursar psicologia.

Sobre as medidas de segurança, ele conta que o espaçamento entre os estudantes aumentou em relação ao primeiro dia de aplicação. “Colocaram uma cadeira vazia entre os participantes, tinha um distanciamento maior. Sobre a máscara, achei um pouco ruim para respirar, mas é normal, é assim que saímos na rua e é assim que devemos também fazer a prova. Foi tranquilo”.

Em Piracuruca (PI), o estudante Edilton Brandão de Sousa, 18 anos, diz que, em exatas, se sentiu mais prejudicado por conta da falta de aulas presenciais que em humanas. “Porque exatas exigem mais as demonstrações de cálculos. E os professores precisam do quadro para mostrar para os alunos. E nossas aulas online foram todas pelo WhatsApp”, diz.

Mesmo assim, ele reconhece o esforço dos professores e diz que, de forma geral, achou “boas as questões. Havia poucas difíceis”. Sousa quer cursar arquitetura.

Segundo a professora de química do ProEnem, que fez o exame, Caroline Azevedo, as provas estavam mais fáceis que em anos anteriores. “Achei mais fácil que nos últimos cinco anos. Achei a prova com muita teoria e pouco cálculo. Senti falta de alguns assuntos recorrentes, como eletroquímica. Alguns assuntos voltaram a aparecer, como radioatividade. Havia também muitas questões interdisciplinares [que envolvem mais de uma disciplina], com biologia e química”.

Segundo a professora, no local onde fez prova, havia menos participantes que no primeiro dia de aplicação. “Muitos alunos faltosos, mais de 20”. No primeiro dia de aplicação, o exame teve uma abstenção recorde de 51,5%. Do total de 5.523.029 inscritos para a versão impressa do Enem, 2.842.332 faltaram às provas.

“Sobre a prova de ciências da natureza, a gente pode dizer que foi do mesmo nível que em anos anteriores. Porém, o que chamou atenção foi a prova de biologia. Talvez tenha sido considerada a mais difícil das provas do Enem. Não no sentido do conteúdo, mas porque o aluno precisava ler muitas vezes para chegar a resolução dela”, diz o professor Ademar Celedônio, diretor de Ensino e Inovações Educacionais do SAS Plataforma de Educação.

Segundo o professor, a prova de matemática teve uma boa distribuição dos assuntos, cobrando também conteúdos do ensino fundamental. “Porcentagem, regra de três, média, geometria. Mantendo um padrão, a prova trouxe também 14 questões de diversos assuntos em que eram abordados gráficos e tabelas”, diz.

O Enem 2020 tem uma versão impressa, que começou a ser aplicada no último domingo (17) e terminou neste domingo, e uma digital realizada de forma piloto para 96 mil candidatos, nos dias 31 de janeiro e 7 de fevereiro.

As medidas de segurança adotadas em relação à pandemia do novo coronavírus são as mesmas tanto no Enem impresso quanto no digital. Haverá, por exemplo, um número reduzido de estudantes por sala, para garantir o distanciamento entre os participantes. Durante todo o tempo de realização da prova, os candidatos estarão obrigados a usar máscaras de proteção da forma correta, tapando o nariz e a boca, sob pena de serem eliminados do exame. Além disso, álcool em gel estará disponível em todos os locais de aplicação.

Candidatos com sintomas de covid-19 ou outra doença infectocontagiosa foram orientados a não comparecerem ao exame. Eles devem notificar o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) pela Página no Participante e terão direito a fazer o exame na data da reaplicação, nos dias nos dias 23 e 24 de fevereiro.

O exame foi suspenso no estado do Amazonas, onde 160.548 estudantes estão inscritos para as provas; em Rolim de Moura (RO), onde há 2.863 inscritos; e, em Espigão D’Oeste (RO), com 969 inscritos, devido aos impactos da pandemia nessas localidades. Esses estudantes poderão fazer as provas também na reaplicação. Segundo o Ministério da Educação, foram cerca de 20 ações judiciais em todo o país contrárias à realização do exame.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × cinco =