No Rio, presidente de Portugal vai à praia, nada em Copacabana e diz que ‘no Brasil nunca há problemas’

O presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, nadou e passeou na praia Copacabana, descontraído, e afirmou que “no Brasil nunca há problemas”.

A presença do chefe de Estado português, numa luminosa manhã de inverno no Brasil, surpreendeu as pessoas que estavam na praia. Algumas aproximaram-se e pediram para fazer selfies.

“Quem me dera que o Brasil tivesse um presidente assim”, disse Andreia, carioca casada com um português, que a seguir foi chamar o marido, Vítor, natural do Porto, para tirarem uma selfie com Marcelo Rebelo de Sousa.

O presidente mergulhou juntamente com o ministro da Cultura, Pedro Adão e Silva, nas águas de Copacabana, onde nadaram durante cerca de quinze minutos, acompanhados por dois seguranças.

À saída do mar, Marcelo Rebelo de Sousa caminhou um pouco e demorou-se à conversa com duas jovens deitadas na areia.

Uma vendedora ambulante que observava a cena à distância exclamou: “Quem não gosta de Copacabana, essa praia linda, maravilhosa, famosa que até o Presidente está aqui”. Se fosse o Presidente do Brasil, acrescentou, “isto ficava cercado de seguranças e não se podia estar aqui”.

À beira-mar, de calção de banho, o chefe de Estado referiu-se ao seu companheiro de mergulho, o ministro da Cultura como “um especialista, um grande surfista”. Pedro Adão e Silva declarou que já teve “melhores dias”.

Dirigindo-se aos jornalistas, Marcelo Rebelo de Sousa perguntou: “Não querem mergulhar, não? Então ficam de fora. Estar a filmar de dentro é que era fabuloso. Tinham de trazer equipamento para isso”.

O chefe de estado de Portugal foi interrogado sobre “o problema” que surgiu nesta viagem: o eventual cancelamento pelo Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, do convite que lhe tinha feito para um encontro seguido de almoço em Brasília na segunda-feira. O brasileiro ficou furioso porque o Português vai se encontrar com Lula.

“Mas qual problema? Eu só vejo não problemas. No Brasil nunca há problemas, é uma coisa que eu aprendi. O meu avô veio para cá no final do século XIX. Eu aprendi que no Brasil o que parece problema não é problema, só parece”, retorquiu o presidente.

Marcelo Rebelo de Sousa chegou este sábado de manhã ao Rio de Janeiro para uma sessão comemorativa da travessia aérea do Atlântico Sul feita há cem anos por Sacadura Cabral e Gago Coutinho, na zona portuária no centro da cidade.

Ele seguiu para São Paulo, para a abertura oficial da 26.ª Bienal Internacional do Livro, que nesta edição tem Portugal como país homenageado.

Fonte: site português Observador

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.