Niteroienses passam necessidades com Auxílio Emergencial do Governo Federal

“Não posso comprar arroz. Estamos comendo somente macarrão porque é o que o dinheiro dá para comprar”. Esse é o desabafo da desempregada Thaís Monteiro, de 34 anos, que mora no Morro da Penha, na Ponta da Areia, e vive com R$ 375 do Auxílio Emergencial 2021. Além de Thaís, milhões de brasileiros se queixam do valor recebido que é muito abaixo do que uma família precisa para sobreviver. Com o preço dos alimentos nas alturas, o que seria algo comum – se alimentar – vira a tarefa mais difícil nesse período pandêmico. O benefício é dado pelo Governo Federal, pago pela Caixa, e está sendo disponibilizado por causa da pandemia do Coronavírus, por intermédio do Ministério da Cidadania.

Thaís recebe R$ 375 por mês, por ser mãe solteira e ter dois filhos, e a situação está muito difícil para a niteroiense.

“Com esse valor não dá para comprar quase nada. Os preços estão absurdos nos mercados. Estou pagando R$ 92 no gás para cozinhar! Não tenho ajuda de ninguém, só da minha mãe, que também está na mesma situação que eu. Quando recebo esse dinheiro eu vou no mercado e compro o que dá para comer para meus filhos”, contou.

E com a comida mais básica do prato brasileiro com preço alto, o arroz virou artigo de luxo.

“Compro arroz quando dá porque está muito caro. Compro mais macarrão, feijão, algumas carnes como frango, linguiça, calabresa, ovo, e fissuras, que é uma mistura de miúdos para comer com angu. Antes da pandemia eu trabalhava fazendo bico em um bar, mas na pandemia eu fui mandada embora”, contou Thaís, que é mãe de dois adolescentes de 12 e 15 anos.

O mesmo acontece com desempregado Eduardo Silva, 53 anos, que recebe R$ 150 do benefício. Ele disse que um valor que seria justo e que daria realmente para ajudar nas despesas da casa seria R$ 600 por mês. Ele vive com a esposa, que é professora, e ela que está sustentando a casa.

“Moro com minha mulher, três filhos e dois netos. O valor que eu recebo do auxílio eu compro biscoitos. Com as crianças em casa como que vou comprar pão e manteiga? Tem que ser biscoito de lanche mesmo”, lamentou Eduardo, que as vezes faz biscate no Morro do Estado, onde mora, como pedreiro.

De acordo com a Caixa Econômica Federak o Auxílio Emergencial 2021 será pago independentemente de solicitação para a pessoa que, em dezembro de 2020, estava elegível para recebimento dos benefícios (Auxílio Emergencial ou Auxílio Emergencial Extensão). A seleção das pessoas é realizada pela Dataprev e o resultado validado pelo Ministério da Cidadania. O valor varia de acordo com a composição da família: R$ 150,00 (se for composta por apenas uma pessoa), R$ 250 (se for composta por mais de uma pessoa) e R$ 375 (se for chefiada por mulher sem cônjuge ou companheiro, com pelo menos uma pessoa menor de 18 anos de idade). Serão disponibilizadas até quatro parcelas, desde que as famílias continuem atendendo aos critérios de seleção do Auxílio.

Raquel Morais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 1 =