Niteroiense é bicampeão pan-americano de Luta Olímpica

Wellington Serrano

Niterói subiu ao pódio junto com a Luta Olímpica brasileira que disputou, no último fim de semana, o Pan-americano Júnior 2017, em Barinas, na Venezuela. No total, a equipe de grequistas faturou cinco medalhas: um ouro, uma prata e três bronzes. O destaque do dia foi o niteroiense Joílson de Brito Ramos Júnior, de 19 anos, medalhista de ouro na categoria até 66 kg do estilo greco-romano.

Na edição 2015, Joílson tinha alcançado a medalha de bronze. Para chegar ao ponto mais alto do pódio, Joílson teve que superar o campeão pan-americano de 2015, Sean Mora, de Cuba, e depois o equatoriano Adán Paez. Natural do bairro Engenhoca, Joílson já havia se destacado ao vencer a Copa Brasil Internacional em 2015, entre os atletas seniores (acima de 20 anos).

“No início quando treinava no Instituto de Educação Professor Ismael Coutinho (Iepic) era uma brincadeira, mas em pouco tempo se tornou sério. Apesar da pouca idade, Joílson sempre esteve muito decidido de que a luta greco-romana era o que ele queria, e ele se dedica muito para realizar esse sonho. É um aluno aplicado tanto na escola quanto na luta e, quando é preciso, abre mão de festinha com amigos, de passeios, para estudar e treinar. Por isso, eu, o professor Flavio Cabral e a coordenadora do projeto e presidente da liga estadual da modalidade, Tania Silva, nos desdobramos por esse projeto”, contou o professor-treinador Bira Fernandes, de 37 anos.

Joílson agora faz planos de voos mais altos e diz que vai visar os treinamentos no Mundial Júnior da modalidade que acontecerá em 2020 durante jogos olímpicos. “Para isso, já iniciei meus treinamentos e a partir de agora quero chegar lá e estar pronto e preparado”, afirmou.

Treinos são no 12º BPM
No país do futebol, há quem troque o esporte mais popular do mundo pela luta olímpica. E Bira diz que, há 10 anos, existem vários casos de alunos que estavam em uma escolinha de futebol, mas preferiram sair para treinar luta olímpica junto com o irmão e o pai. “Com isso, a família toda passa a vivenciar esse ambiente”, contou o professor.

Os treinos do projeto socioesportivo “Niterói Wrestling” (NW), que existe há 14 anos com o intuito de formar atletas de alto rendimento na região, além do Iepic, acontecem de segunda a sexta-feira, das 18h às 20h30min, na sede do 12º BPM, que é parceiro do projeto. Segundo Bira, em breve, o projeto vai contar com uma nova sede na Rua Saldanha Marinho, no Centro de Niterói. “As inscrições já podem ser feitas na própria sede do batalhão. Mais informações estão no site da Liga de Wrestling do Estado do Rio de Janeiro ou pelo meu telefone (21) 9649-03387”, concluiu.

Shayenne leva prata
O wrestling feminino conquistou três medalhas e o terceiro lugar geral por equipes para o Brasil no Pan-americano Júnior de Wrestling 2017, em Lima, no Peru. Shayenne Silva estreou em competições internacionais com a medalha de prata na categoria até 48kg e foi o destaque nacional do dia.

Fabiana Alcantara e Thais Oliveira conquistaram a medalha de bronze nas categorias até 63kg e até 72kg, respectivamente. A equipe feminina superou a campanha de 2016, quando amealhou duas medalhas em Barinas. Neste domingo, o estilo livre encerra a participação brasileira no Pan a partir das 12h.

Shayenne estreou em competições internacionais com uma medalha no peito. A brasileira ficou atrás da colombiana Alisson Rey por duas vezes após sofrer duas quedas de quatro pontos. Mas Shayenne se recuperou e quando o placar apontava 12 a 11 para Rey, a brasileira encostou e garantiu vaga na semifinal. Menos nervosa, Shayenne conseguiu evitar os ataques de perna da porto-riquenha Jodalys Lunas e abriu 6 a 0, antes de mais uma vez executar o encostamento e garantir vaga na final contra a peruana Nadia Trujillano. Em uma luta franca, Shayenne e Nadia travaram uma verdadeira batalha. No fim, melhor para a peruana, que venceu por 19 a 17, e a certeza de uma prata a ser bastante comemorada por Shayenne, que tem muito a evoluir na modalidade.

“Dediquei a minha vitória aos meus professores Flávio, Tania e ao Bira. Eles foram os meus grandes parceiros de treino e para quem devo essas recentes conquistas na minha vida”, agradeceu Shayenne.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *